Cidadeverde.com
Últimas

Filme sobre Elvis Presley mostra as várias faces do astro para plateias de hoje; veja trailer

Imprimir

A imagem de Elvis Presley que ficou para a maioria é a do artista com grandes costeletas, metido em macacões com capa, um tanto acima do peso. Aquele Elvis que a maior parte dos sósias gosta de imitar. Mas ele foi múltiplo. Elvis, que é dirigido pelo australiano Baz Luhrmann e estreia no Brasil na quinta-feira, 14, depois de uma boa recepção no Festival de Cannes e elogios da viúva do artista, Priscilla Presley, tenta dar conta de suas várias faces, com música, figurinos extravagantes e energia. "Meus filmes são especificamente elaborados para que o espectador participe", disse Luhrmann em entrevista com a participação do Estadão, durante o Festival de Cannes.

O filme cobre sua trajetória difícil, desde a infância pobre à morte precoce, aos 42 anos, e a relação complicada com o empresário, o "Coronel" Tom Parker (Tom Hanks). Também mostra o cantor branco que deve tudo aos grandes músicos negros do sul dos Estados Unidos, criando uma ponte então inexistente em uma época de segregação racial, e o artista que gerou histeria pelos movimentos ousados de seus quadris, em um tempo pré-revolução sexual.

Para isso, Luhrmann precisava encontrar o ator ideal. Ansel Elgort, Miles Teller e até Harry Styles estavam na disputa, mas o papel terminou com Austin Butler. O ator de 30 anos atua desde a adolescência, tendo feito papéis em séries teen como Hannah Montana e iCarly, mas começou a ter destaque mais recentemente, atuando ao lado de Denzel Washington na peça The Iceman Cometh e um pequeno papel em Era uma Vez... em Hollywood, de Tarantino.

Butler ganhou o papel depois de enviar um vídeo em que cantava Unchained Melody. O ator chorava, pois tinha sonhado com sua mãe - como Elvis, ele também perdeu a mãe no início dos seus 20 anos "Acho que Austin estava destinado a interpretar o Elvis", disse Luhrmann. Priscilla, porém, tinha dúvidas se aquele garoto podia fazer o papel. "Depois de ver, ela me disse que ele capturou cada movimento, sim, mas principalmente a alma e a humanidade de seu marido."

Imitação

Essa era uma preocupação de Butler. "Eu não queria fazer algo externo, uma imitação", disse o ator em mesa-redonda com a participação do Estadão em um hotel em Cannes. Por dois anos, ficou obcecado na preparação. Ele canta todos os números quando Elvis é mais jovem, e sua voz é mesclada à do cantor em sua fase mais velha. As performances são impressionantes. "Não vi minha família nem meus amigos nesse tempo todo. Não conseguia manter um relacionamento com ninguém da minha vida", disse ele. "Mas não vi isso como sacrifício, porque veio do meu amor pelo papel e pelo filme."

Em certos momentos, teve dúvidas se seria capaz, por não se achar parecido o suficiente com Elvis Presley. "Eu tinha essa expectativa irreal de que ficaria idêntico a ele", disse Butler. "Mas aos poucos me libertei disso e procurei encontrar a sua humanidade, porque esse era o objetivo: despir o ícone e encontrar o homem. Joguei todas as minhas experiências de vida, meus lutos, minha dor, minha alegria. Coloquei minha alma para me conectar com sua vida interior." Deu certo: já se fala em uma possível indicação ao Oscar.

Seu mergulho em Elvis foi tamanho que ele teve uma crise existencial quando terminou. Foi "bizarro" se readaptar à própria vida. Mas, logo em seguida, foi interpretar um soldado da Segunda Guerra na série Masters of Air, da produtora de Tom Hanks, que segue os passos de Band of Brothers e The Pacific. Em breve, também estará na segunda parte de Duna.

"É o momento mais mágico da minha vida", disse Butler. "Trabalho desde os 12 anos. Muitas vezes, não tinha dinheiro para o combustível. E eu sei que muitos atores talentosos não têm a oportunidade que estou tendo. Eu não consigo nem expressar como estou grato." O menino californiano tímido e solitário - como Elvis Presley era na infância, aliás - está pronto para o estrelato.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir