Cidadeverde.com
Esporte

Atlético-MG vence Botafogo no Rio e assume a liderança do Brasileirão

Imprimir

No confronto do incrível Hulk contra o El Toro Erison, o baixinho Zaracho, de 1,71 m fez o gol que definiu a vitória do Atlético-MG sobre o Botafogo por 1 a 0 neste domingo, no Engenhão. 

Foto - Atlético-MG - Divulgação

Com o resultado, o time de Minas Gerais assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro, chegou aos 31 pontos, e dorme na ponta da classificação. O triunfo bota pressão no Palmeiras, que completa a rodada do final de semana nesta segunda, em duelo com o Cuiabá no Allianz Parque.

O time carioca segue estacionado nos 21 pontos e perde a chance de, jogando diante de sua torcida, melhorar a sua situação na classificação da competição. O revés aproxima os botafoguenses da zona do rebaixamento.

Estrela da companhia no Atlético-MG, Hulk disputou um duelo à parte com o parrudo Erison, do Botafogo. No Brasileiro os dois têm mostrado a sua eficiência nesse sentido. Enquanto o Tanque atleticano tem sete gols marcados, El Toro balançou as redes em seis oportunidades.

Enquanto esteve em campo, Erison foi o principal jogador do time carioca no setor ofensivo. Na etapa final, porém, com dores no tornozelo, deu lugar a Matheus Nascimento.

Com poucas chances de gol e bastante marcado, Hulk chegou a atuar mais recuado na etapa final, ora para buscar jogo, ora para cadenciar o ritmo.

No final da partida, porém, o camisa sete fez a diferença ao bater a falta que deu origem ao que seria o segundo gol do time mineiro. O lance, porém, acabou invalidado, com a ajuda do VAR.

O Botafogo volta a campo no meio de semana e visita o Santos na quarta-feira, na Vila Belmiro. O Atlético-MG também joga fora de casa. O compromisso é diante do Cuiabá, na quinta-feira, na Arena Pantanal.

Em um primeiro tempo marcado pela intensidade na disputa das jogadas, Botafogo e Atlético-MG fizeram um duelo com poucas chances de gols e muita posse de bola no meio-campo.

Com mais volume de jogo, o Atlético-MG fez o VAR ser acionado em lance confuso na pequena área carioca. Após bate rebate, a bola bateu próximo à cintura de Philipe Sampaio. O juiz marcou pênalti, mas ao consultar o vídeo, voltou atrás e mandou o jogo seguir.

O susto fez o time da casa despertar e ameaçar o rival mineiro. Se Hulk estava bem marcado pela defesa botafoguense, Erison conseguiu incomodar os marcadores atleticanos com suas arrancadas.

No melhor momento dos mandantes, ele invadiu a área pela esquerda e cruzou. Kanu entrou de carrinho, a bola passou pelo goleiro Everson, mas saiu rasteira pela linha de fundo aos 27 minutos.

O jogo se manteve equilibrado apesar da bola na trave do Botafogo em cabeçada de Zaracho já no final do primeiro tempo.

Apesar de ter finalizado bem mais que o time da casa (10 tentativas contra quatro do adversário), o Atlético-MG mostrou dificuldades para incomodar o goleiro Douglas Borges e o primeiro tempo terminou sem abertura de contagem.

A etapa final começou movimentada. Depois de perder uma chance incrível na pequena área com Nacho Fernández, o Atlético-MG abriu o placar com Zaracho.

Ele pegou uma sobra do lado esquerdo e jogou na área. A bola subiu, encobriu o goleiro Douglas Borges, e morreu no fundo das redes: 1 a 0 aos 10 minutos.

Referência do ataque carioca, Erison seguiu chamando a responsabilidade e tentando criar chances na base da individualidade.

À frente no placar, o Atlético-MG passou a ter um Hulk mais organizador. Em vários momentos, o camisa sete apareceu até no campo de defesa para tocar a bola e cadenciar o ritmo.

O Botafogo se lançou ao ataque e criou boas chances com Jeffinho e o Atlético-MG passou a viver de lançamentos para Hulk em profundidade. O Atlético ainda fez o segundo gol nos acréscimos, com Keno, mas o lance acabou anulado.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir