Cidadeverde.com
Cidades

Força Tarefa já apreendeu R$ 12 milhões de facções no Piauí, afirma secretário

Imprimir

Foto: Renato Andrade / Cidadeverde.com 

A Força Tarefa de Segurança Pública no Piauí (FTSP-PHB) trabalha para combater a expansão de facções criminosas na região. Como forma de cessar esses grupos criminosos, a Força Tarefa tem atacado diretamente as fortunas de líderes faccionados. Em seis meses de atuação, mais de R$ 12 milhões já foram apreendidos.

O secretário de Segurança Pública do Piauí, coronel Rubens Pereira, conversou com o Cidadeverde.com e afirmou que a Força Tarefa tem controlado a situação das facções no Piauí e que monitora constantemente os passos delas. Além disso, de acordo com o coronel, não é possível o Piauí enfrentar sozinho essa realidade e pôr fim a elas no estado. 

“Temos feito várias operações de combate ao crime organizado. Estamos fazendo prisões regionais. São pessoas que estão lucrando em relação a esse mercado ilegal e é para elas que nós dirigimos as nossas investigações. Eles têm fortunas que precisam ser atacadas. Só no litoral, mais de R$ 12 milhões foram apreendidos dessas facções”, pontuou o coronel Rubens Pereira. 

A FTSP-PHB, instituída conforme modelo proposto pela Secretaria de Operações Integradas (SEOPI/MJSP), é composta pela Polícia Federal, Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Penal. 

Atuação da Força Tarefa 

A Força Tarefa de Segurança Pública do Piauí iniciou em novembro de 2021, após recorde de homicídios na cidade de Parnaíba. A primeira operação foi realizada no dia 16 de dezembro, quando faccionados foram presos em Cocal. 

Segundo o balanço, a Força Integrada realizou 37 prisões no litoral nesse período. Elas foram resultado de 53 buscas que culminaram na apreensão de 13 veículos,  30 armas de fogo, 366 munições,  além de drogas e valores em espécie. 

Denúncias 

Denúncias sobre atuação de facções criminosas, foragidos da Justiça, tráfico de drogas e outros crimes podem ser encaminhadas, de forma anônima, ao endereço eletrônico: bit.ly/denunciapcphb.

Nataniel Lima
[email protected] 

Imprimir