Cidadeverde.com
Esporte

Conversas com técnico e nova função no PSG animam Neymar

Imprimir

Uma nota publicada pelo jornal espanhol El País correu o mundo há mais ou menos um mês dando conta de que o PSG tinha decidido que Neymar não estava mais nos planos. Uma bomba, mas que aos poucos foi desarmada.

Foto - Lucas Figueiredo - CBF

Neymar se apresentou ao PSG para a temporada 2022/2023 uma semana antes do previsto, participa dos treinos sem qualquer restrição, foi titular em amistoso há dois dias e viu os rumores de saída do time francês esfriarem. 

Agora, segundo ouviu o UOL Esporte, o dia a dia é de animação pelas perspectivas dos próximos meses tanto no clube, quanto na seleção brasileira em ano de Copa.

O atacante brasileiro retornou ao PSG totalmente diferente do que havia deixado em maio. O clube trocou a diretoria de futebol (Leonardo por Luis Campos) e o comando técnico (Mauricio Pochettino por Christophe Galtier).

Neymar e seu estafe até desconfiaram que alguma coisa pudesse mudar, mas no fim das contas o jogador se sentiu bem-recebido na volta à França.

Na verdade, é até mais do que isso: Neymar se aproximou e tem tido conversas que considera positivas com Galtier, seu novo treinador.

São papos sobre conceitos táticos, posicionamento em campo e variação de funções que eram pouco comuns na época de Pochettino - o que pode ajudar a explicar sua pior temporada na Europa em 2021/2022.

Com Galtier, ele avalia, existe mais diálogo. Até porque o camisa 10 do PSG vai ter novas responsabilidades em campo nesta nova fase.

DO PSG À SELEÇÃO

Neymar foi ponta de velocidade a vida inteira. No Santos, na seleção, no Barcelona e no começo da passagem pelo PSG. Foi na França que passou a jogar mais centralizado, como meia de criação.

Na seleção, Tite observou a mudança do clube e usou o camisa 10 nesta faixa do campo, alternando também para a posição de centroavante.

Nos jogos mais recentes, a seleção se moldou jogando com dois pontas de velocidade - os "perninhas rápidas", segundo Tite -, além de Neymar e Lucas Paquetá se revezando entre as funções de meia e centroavante. Eles trocam de posição e são incentivados o tempo inteiro a fazer tabelas e se desmarcar para construir ataques.

Essa é mais ou menos a ideia que Christophe Galtier está levando para o PSG neste começo de temporada.

Quem faz o papel de Paquetá é Messi, sempre nessa alternância com Neymar entre as funções de meia e falso 9. O brasileiro é mais atacante, mas desce com frequência para tentar explorar o espaço entre as linhas de marcação do adversário e tabelar com o argentino. 

A ideia é que os dois interajam o maior número de vezes que for possível e um preencha o espaço deixado pelo outro. O recém-contratado Vitinha fica numa faixa atrasada em relação a Messi e Neymar e Mbappé em outra mais avançada.

"Eu sei onde Neymar pode ficar confortável, seja um pouco mais avançado ou na frente de dois meio-campistas. Neymar, como o Leo (Messi), eles são facilitadores, jogadores que têm essa capacidade de se encontrar nas entrelinhas e de ser decisivos", disse recentemente o treinador.

Por mais que Galtier prefira um esquema com três zagueiros em relação à linha de quatro defensiva que Tite usa na seleção, o novo técnico do PSG ouviu Neymar sobre preferências em campo e o modo como tem atuado com destaque na seleção para moldar seu plano de jogo. 

Neymar gostou do interesse e vê uma boa relação com o treinador, o que pode ajudá-lo no clube e também com a Amarelinha.

O brasileiro não esconde que a prioridade do ano é a Copa do Mundo do Qatar. Mas para chegar bem lá é preciso estar bem no PSG. Sem problemas físicos e à vontade com o novo treinador, ele já revelou numa live sua expectativa para os próximos meses.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir