Cidadeverde.com
Economia

Governo tenta mudar decisão sobre preços dos combustíveis na Petrobras

Imprimir

O conselho de administração da Petrobras discute nesta quarta-feira (27) proposta para alterar o centro de decisão sobre os preços dos combustíveis vendidos pela estatal, em mais um avanço do governo sobre a gestão da companhia.

A proposta prevê que as decisões sobre reajustes passem a ser dadas pelo conselho de administração -hoje, é feita por um comitê formado pelo presidente da companhia e pelos diretores de Logística e Comercialização e de Finanças.

O governo prepara-se para eleger um novo conselho, com nomes mais alinhados à gestão Bolsonaro, em assembleia no próximo dia 19 de agosto. A lista é formada majoritariamente por ocupantes de cargos públicos e, pela primeira vez desde o governo Dilma Rousseff, tem um integrante do Palácio do Planalto.

A assembleia vai eleger 8 das 11 vagas do colegiado -outras três já são ocupadas por representantes dos acionistas minoritários e dos empregados da companhia. O governo indicou oito nomes e o maior acionista privado da empresa, o Banco Clássico, outros dois.

A lista tem dois nomes já rejeitados por órgãos internos de governança por possibilidade de conflito de interesses: o secretário executivo do Ministério da Casa Civil, Jhonatas Assunção, e o procurador-geral da Fazenda Nacional, Ricardo Soriano.

A tentativa de mudança na governança da política de preços é parte de um esforço para conter os preços dos combustíveis e reverter danos à imagem do governo às vésperas das eleições.

Nesse processo, as medidas mais efetivas até agora foram cortes de impostos federais e estaduais.

Em quatro semanas seguidas de queda, desde a aprovação das leis sobre os impostos, o preço do combustível já acumula queda de 20,3% nas bombas. Na semana passada, o litro custava, em média, R$ 5,89 por litro esta semana.

A tendência é que o cenário se mantenha esta semana, com repasses do corte de 4,9% promovido pela Petrobras em suas refinarias na terça-feira (19).

Nesta segunda (25), em almoço com empresárias e executivas em São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que poderia fazer novas mudanças na Petrobras, enquanto falava sobre os preços dos combustíveis.

Os últimos movimentos do governo em relação à empresa já geram alertas no mercado financeiro sobre o risco de retrocesso no sistema de governança implantado após a Operação Lava Jato.

"Mais um oportunismo eleitoreiro de Bolsonaro e de sua equipe de bajuladores", disse, em nota o coordenador-geral da FUP (Federação Única dos Petroleiros), Deyvid Bacelar, que é favorável a mudanças no cálculo dos preços.

"A menos de três meses para as eleições, o presidente da República se diz preocupado com as altas abusivas dos preços dos combustíveis praticadas ao longo de seu governo".

 

Fonte: Folhapress (Nicola Pamplona) 

Imprimir