Cidadeverde.com
Cidades

Com vacinação atrasada há 15 dias, Piauí cobra doses para vacinar crianças de 3 e 4 anos

Imprimir

Foto: divulgação Sesapi

Em Brasília, o secretário de Estado da Saúde, Neris Júnior, cobrou celeridade no envio da vacina Coronavac destinada para crianças de 3 a 4 anos. A aplicação, para a faixa etária até os cinco anos, foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) há duas semanas, mas ainda não houve remessa para o Piauí que aguarda cerca de 95 mil doses. Até semana passada, dos 224 municípios piauienses, apenas 131 tinham estoque para iniciar a vacinação em crianças de 3 e 4 anos.

Neris Júnior participou da 7ª Assembleia do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) onde também foram discutidos a dificuldade nos estados em aquisição de medicamentos e insumos, a situação do avanço da varíola dos macacos, gestão técnica, administrativa e financeira dos laboratórios estaduais de saúde pública e a política de alta complexidade.

“Solicitei também o aumento de vagas para profissionais de saúde da família na Rede Nordeste de Formação em Saúde da Família, mais vagas de mestrado e doutorado na área de saúde para o Piauí e celeridade no envio de vacinas para crianças de 3 a 4 anos”, diz o gestor.

Sobre o envio das vacinas, o secretário chama a atenção para o número de mortes de crianças neSssa faixa etária por Covid.  Dados do Observatório de Saúde na Infância - Observa  Infância, da Fiocruz/Unifase, a partir de dados do SIM(Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde), apontam que, em dois anos, as mortes de crianças de até cinco anos por Covid-19 foram mais do que o triplo das causadas, em uma década, por outras 14 doenças que podem ter mortalidade evitada por vacinação e outras ações de saúde. Em 2020 e 2021, 1.508 crianças morreram por Covid.

Na pauta do encontro do Conass, estão ainda discussão sobre a situação da Monkeypox no país; a Gestão Técnica, Administrativa e Financeira dos Laboratórios Estaduais de Saúde Pública e a Política de Alta Complexidade.

Graciane Araújo
[email protected]

Imprimir