Cidadeverde.com
Geral

Por falta de insumos, hospitais podem suspender atendimentos e cirurgias em Teresina

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com

A falta de insumos como soro e medicamentos pode prejudicar os atendimentos e cirurgias eletivas nos hospitais de Teresina. O alerta foi feito na manhã desta quarta-feira (10) pelo presidente da Fundação Municipal de Saúde, Gilberto Albuquerque, que destacou que há um risco de desabastecimento de alguns itens nos próximos dias. 

A FMS já informou que não tem mais estoque de soros e que os últimos frascos foram distribuídos às unidades de saúde. Outros medicamentos já começam a ficar em falta no mercado. 

"O que tem maior complicação hoje é a falta de soro, mas tem ainda cerca de 20 medicamentos em falta no mercado. Os primeiros atendimentos prejudicados serão os eletivos, como as cirurgias, porque os de urgência não tem muito o que fazer", destacou Gilberto Albuquerque. 

O presidente da FMS explicou ainda que a situação enfrentada por Teresina se repete em todos os estados do Brasil e que gestores já se reuniram com representantes do Ministério da Saúde e com as empresas fornecedoras para buscar alternativas. 

Enquanto não há uma solução para o problema, a FMS recomendou aos profissionais de saúde o uso racional dos insumos. 

"Estamos fazendo o uso racional, mas o hospital não pode modificar muito suas condutas. A gente tem uma previsão ainda de dificuldades para a saúde. Ainda não temos projeções positivas, por causa dessa guerra da Ucrânia e as restrições da China, não temos uma perspectiva tão imediata", destacou Gilberto Albuquerque. 

 Na noite de ontem, a Fundação Municipal de Saúde emitiu uma nota alertando para os riscos de desabastecimento:


A Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina informa que está em falta, em todo o país, soros fisiológico, glicosado e ringer lactato, devido falta de matéria prima para as embalagens. A FMS informa ainda que já esteve em várias reuniões com o Ministério da Saúde onde foi sugerido ao órgão a importação do produto, mas até o momento nenhuma decisão foi tomada para resolver a situação.

A FMS explica que não tem mais estoque de soros. Estão em uso os últimos frascos que foram distribuídos nas unidades de saúde. 

O Brasil passa por uma fase de desabastecimento de remédios em diversas regiões. A falta de medicamentos tem afetado não só as farmácias, mas hospitais e unidades públicas de saúde na maioria das cidades do país.

A Anvisa  encaminhou em junho ao Conselho de Ministros da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos 
do Ministério da Economia uma relação com 20 medicamentos ( Processo SEI/ANVISA nº 25351.911896/2022-19.) com risco de desabastecimento  no mercado  pela ausência de matéria-prima para compor as substâncias e, também, a escassez de insumos para embalagem.

O Ministério da Saúde atribui o desabastecimento a diferentes fatores: lockdown na China e na Índia, guerra na Ucrânia, aumento no custo de produção e à escassez de matéria-prima.

 

 

Natanael Souza
[email protected] 

Imprimir