Cidadeverde.com
Política

George Mágno acredita ser alternativa viável entre Wellington Dias e Joel Rodrigues

Imprimir

Foto: Renato Andrade/ Cidade Verde

Candidato pela primeira vez, o advogado George Mágno vai concorrer ao Senado pela federação Psol/Rede. Nesta quinta-feira (11), ele pontuou que o partido projeta a candidatura como uma alternativa viável entre os adversários Wellington Dias (PT) e Joel Rodrigues (Progressistas). 

“Nesse momento, pelo estado de coisas que se encontram no Piauí era necessário que o Psol se encontrasse com uma campanha majoritária nas ruas”, afirmou sobre a decisão de deixar os bastidores e sair como candidato nas eleições estaduais. 

George Mágno destacou que o Psol é contra o uso do fundo partidário e que vê um caminho para se colocar como uma alternativa entre os candidatos da base governista e oposição, apesar da diferença estrutural das campanhas. 

“O Psol tem linha de raciocínio quanto ao uso de fundo partidário e do uso dele, mas já que foi aprovado e veio para o partido, dentre essas limitações vamos tentar nos colocar como uma via possível, uma alternativa entre o ex-governador W.Dias e Joel Rodrigues, ex-prefeito de Floriano. No colocamos como uma alternativa, uma oposição, sim, mas não só de apontar defeitos, mas também soluções”, explicou George Mágno.  

Caso eleito, ele prometeu ser um ser um “parlamentar didático”. “É importante que a população tenha esse conhecimento de saber que o senador estará ali para votar em assuntos importantes como reformas previdenciárias e políticas e que essa discussão é feita de maneira rasa, muitas vezes”, acrescentou. 

O candidato ainda falou sobre as chamadas “pautas de costume”, como a legalização do aborto e uso da maconha. Para ele, são assuntos estruturais que precisam ser discutidos com diversos setores da sociedade. 

"Acredito que são temas bastante estruturais, nossa sociedade alavancou temas como o aborto e uso de maconha, acredito que esse tema tem que ser discutidos com a sociedade e não apenas dentro das casas Legislativas, para sabermos de fato quem estamos protegendo", enfatizou.   

 

Paula Sampaio 
[email protected]

Imprimir