Cidadeverde.com
Esporte

Como a gestão de elenco de Abel faz Palmeiras chegar 'inteiro' a decisões

Imprimir

Líder com folga do Campeonato Brasileiro e vivo no caminho pelo terceiro título consecutivo de Libertadores, o Palmeiras pouco sofre com lesões na parte mais decisiva da temporada.

Atualmente, por exemplo, apenas o volante Jailson é desfalque após romper os ligamentos do joelho direito - ele está fora desde abril.

Isso não é coincidência. Abel Ferreira e sua comissão técnica estão a todo momento em contato com o Núcleo de Saúde e Performance do clube a fim de minimizar os riscos de lesões, além de manter o elenco sob avaliação física e mental para que cheguem "inteiros" nos momentos-chave do ano.

A reportagem conversou com o coordenador científico Daniel Gonçalves, que explicou como é o relacionamento do treinador com o setor.

"O Abel tem o João Martins [auxiliar e preparador físico] como o integrante da comissão técnica dentro do Núcleo de Saúde e Performance. É o profissional que faz essa comunicação direta entre nós e o Abel, mas claro que todos os setores têm canal aberto com ele. 

O Abel, como líder do processo, faz exigências, colocações, natural para que a gente se baseie. Durante o treino o feedback é constante, com monitoramento da carga, GPS. O debate em tempo real é para que consiga intervir dentro das quatro linhas", afirmou Daniel.

"O nosso núcleo é de saúde e performance. Temos de estar atentos não só à condição de recuperação, mas também da performance. O atleta é exigido a esforços máximos, tem de demonstrar resultado. Se calcula o risco, analisa a capacidade da performance, e o Abel define. 

Não acredito nessa questão de lesão zero. O atleta será submetido a esforços que aumentam o risco de lesão. O que a gente faz são ciclos de preparação, na performance e prevenção. A gente faz ciclos de forma que em períodos considerados chave tenhamos o maior número de atletas à disposição", continuou o coordenador científico do Palmeiras.

A última semana foi a "semana dos sonhos" para o Palmeiras: conseguiu a classificação heroica à semifinal da Libertadores, ao segurar o Atlético-MG com dois a menos e vencer nos pênaltis, e venceu o Dérbi contra o Corinthians na Neo Química Arena, praticamente tirando o rival da disputa pelo título do Brasileiro e aumentando ainda mais a vantagem na ponta.

A dura sequência, porém, não para por aí. Agora, o time alviverde tem outros dois jogos com contornos decisivos no Brasileiro, contra Flamengo e Fluminense, antes de começar a eliminatória contra o Athletico-PR na Libertadores. O time terá uma semana livre de treinamentos entre o duelo contra os cariocas.

"A gente crê que esse momento-chave vai se prolongar até a semifinal contra o Athletico-PR. A gente não tem como dizer antecipadamente qual jogo vai definir título. Vamos olhar o Brasileirão com a máxima possibilidade para a gente. Abel usa um termo de usar máxima força com gestão da energia, algo nesse sentido. 

O que vai nos auxiliar são as semanas sem jogo. Identificar atletas com necessidade de recuperação, individualizar o treino, descanso ou incremento de carga que a gente fará. Avaliamos diariamente os atletas, seja pós lesão ou estímulo", explicou Daniel Gonçalves.

"A semana livre de treinos é essencial. Muito se critica ou criticou a qualidade de jogo do futebol brasileiro e um dos principais aspectos é o calendário. Nossos campos estão muito aquém. Temos estádios que não contribuem para a qualidade do espetáculo, mas sim negativamente para nível de fadiga mais elevado. 

A gente consegue com outras técnicas diminuir incidência de lesão. Já estão tão habituados às maratonas de jogos que tem que ter cuidado devido, para não mudar muito o estímulo", finalizou.

AGENDA DO PALMEIRAS

Flamengo (casa) - Brasileiro
Fluminense (fora) - Brasileiro
Athletico-PR (fora) - ida da semifinal da Libertadores
Red Bull Bragantino (fora) - Brasileiro
Athletico-PR (casa) - volta da semifinal da Libertadores

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir