Cidadeverde.com
Esporte

Mãe de Mbappé diz que problemas no vestiário do PSG devem ser resolvidos em breve

Imprimir

As polêmicas no Paris Saint-Germain ganham novos capítulos a cada dia. Nesta semana, após rusgas no vestiário do clube francês, Fayza Lamari, mãe de Kylian Mbappé, resolveu 'entrar em campo' e disse que problemas devem ser resolvidos em breve entre seu filho e o brasileiro Neymar. 

"As coisas são gerenciadas internamente no Paris Saint-Germain. Tudo vai bem", disse Lamari, em entrevista ao canal Kora Plus. 

Ela se negou a responder quaisquer outras perguntas sobre o tema ou que envolvessem a situação de seu filho no clube.

No último fim de semana, na partida contra o Montpellier, Neymar e Mbappé tiveram um desentendimento durante o jogo, apesar da vitória por 5 a 2 do PSG. O caso, que é chamado pela imprensa estrangeira de "penaltygate", envolve a decisão de quem seria o cobrador de penalidades máximas principal do time.

Nesta partida, Mbappé desperdiçou a primeira cobrança e mostrou descontentamento pelo brasileiro não ceder o segundo pênalti para ele se redimir.

Além disso, a relação entre Neymar e Mbappé, ao que tudo indica, estava estremecida antes mesmo da partida. Segundo o jornal francês L'Équipe, o atacante foi consultado sobre uma possível saída do astro da seleção brasileira após renovar seu contrato com o PSG.

Embora o camisa 7 em nenhum momento tenha pedido a saída de Neymar, o atleta não teria oferecido oposição à ideia.

"Essa foi a ordem para este jogo. Veremos no futuro", disse Christophe Galtier, técnico do PSG, após o jogo, indicando que Mbappé era o primeiro cobrador e Neymar o segundo, invertendo uma ordem do passado.

Segundo a rádio francesa RMC, o clube trabalha a questão com muita tranquilidade nos bastidores, convocando uma reunião com os próprios jogadores.

Mbappé renovou com o PSG nesta janela de transferências, com contrato válido até 2025. Ele tinha tudo arranjado com o Real Madrid, mas optou por permanecer em Paris após ser prometido, segundo a imprensa francesa, o protagonismo total da equipe e o poder de decisão em algumas questões de bastidores.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir