Cidadeverde.com
Entretenimento

Ator lamenta não ser mais chamado para fazer novela

Imprimir

Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação


Já são 26 anos de carreira desde que protagonizou a segunda temporada de 'Malhação', mas de 2014 para cá, os trabalhos na TV rarearam para Claudio Heinrich, 49. O ator não sabe o que é fazer uma novela há quase uma década, e diz que não tem ideia do que aconteceu para ser esquecido desta forma - sua última participação foi em "Pecado Mortal" (Record), há oito anos.

"Não me chamaram mais e também deixei de correr atrás. Deveria ter procurado alguns produtores de elenco, mas não fiz isso", admite. Ele lembra que nos últimos anos fez participações em séries, filmes e programas humorísticos e sente falta de atuar. Mas novela que é bom... nada. "Queria voltar a trabalhar em teledramaturgia, sim, porque é o que eu mais gosto. Só não faço mais porque não me chamam", diz.

Claudio acabou de gravar um curta sobre a guerra na Ucrânia -"War and Peace", do diretor Alexandre Avancini-, e vem vivendo do que acumulou nos áureos tempos de jovem galã da Globo. Durante um bom tempo, ele foi o campeão de cartas na emissora (o melhor índice de sucesso pessoal nos tempos pré-internet e redes sociais) e ganhou um bom dinheiro fazendo "presença vip" e como príncipe dos bailes de debutantes pelo país afora.

"Trabalho desde os 15 anos e sempre economizei para poder investir em vários negócios. Hoje, eu tenho as minhas rendas", afirma ele, que começou como paquito de Xuxa Meneghel no final dos anos de 1980. Ficou quatro anos na função, quando resolveu estudar teatro e investir na carreira de ator.

Ao contrário de outros ex-assistentes de palco da loira, ele minimiza a fama de durona e autoritária de Marlene Mattos, a ex-diretora do programa. "Ela precisava ser firme para a máquina funcionar", comenta. Discreto, o hoje faixa preta e professor particular de jiu-jítsu não vê sentido em esticar a conversa quando o assunto é o bastidor do programa.

"Vi que algumas pessoas falaram sobre isso, fizeram livros contando coisas dos bastidores. Acho que as pessoas gostam de se promover", critica. Meio a contragosto, confirma que teve um trelelê com a então paquita Leticia Spiller na época em que trabalharam juntos no programa de Xuxa. "Namoro de adolescente", limita-se a dizer.

Política já é um assunto que o deixa desconfortável, a ponto de mudar a entonação ao falar, por telefone, com o F5. "Não me posiciono, prefiro não falar nada sobre política. O voto é secreto e cada um tem o direito de se posicionar ou não. É um direito em qualquer democracia", encerra.

 

ANA CORA LIMA
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - 

Tags: atornovela
Imprimir