Cidadeverde.com
Cidades

Polícia recupera R$ 40 mil em produtos roubados que eram vendidos na internet em Teresina

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde

A equipe do 13º Delegacia da Polícia Civil, recuperou na quarta-feira (24) cerca de R$ 40 mil em objetos roubados que estavam sendo vendidos na internet com mais de 70% de redução no valor original. Uma pessoa foi presa e a polícia apura envolvimento de uma organização criminosa especializada em roubos e vendas em sites na internet.

O delegado Odilo Sena, titular do 13º DP, informou que no dia 20 de agosto uma empresa de publicidade e consultoria teve cerca de R$ 30 mil em produtos roubados após um furto realizado no município de Água Branca, a 99 km de Teresina.

“Os produtos estavam em um carro, e quebraram a janela e levaram dessa empresa cerca de R$ 30 mil em produtos, como câmeras, lentes de alta resolução, drone e notebook. Começamos a monitorar nas redes sociais e ofertas, principalmente pela OLX, até que encontramos um dos produtos e começamos a negociar. Descobrimos onde o sujeito morava, aqui perto da delegacia na Vila da Paz e ele foi preso”, informou o delegado.

Na residência do acusado os policiais ainda encontraram um notebook avaliado em R$ 10 mil, que também seria proveniente de roubo. Os produtos da empresa já foram recuperados. O notebook que foi encontrado, o dono ainda não foi identificado. “Eles venderam alguns dos equipamentos pela OLX para uma fotógrafa, por sorte nós conseguimos identificar e falamos com ela”, informou o delegado.

Foto: Redes sociais do delegado Odilo Sena

A Polícia Civil acredita que uma organização criminosa esteja atuando nos roubos, com repasses dos materiais para receptadores que realizam as vendas na internet.

“É uma organização criminosa, onde eles se unem e fazem isso. Uma parte faz os furtos, já tem as pessoas certas que vão comprar e depois repassam para uma terceira pessoa, tudo isso para dificultar a investigação. Fazem principalmente transações em dinheiro. Os produtos eram vendidos com valores bastantes reduzidos e atrativos para que fossem comprados pela internet. Esse notebook avaliado em R$ 10 mil, estava sendo vendido por cerca de R$ 3 mil. Um equipamento de câmera de R$ 8 mil, no valor de R$ 1 mil”, explicou o delegado.

Um dos suspeitos já foi preso, um segundo já foi identificado e um terceiro suspeito ainda está sendo localizado. A investigação continua para descobrir quem mais estaria atuando no grupo.

O delegado Odilo Sena alertou que a população deve ficar atenta ao comprar pela internet, sempre exigir nota fiscal e também nunca deixar equipamentos caros dentro de veículo para evitar furtos.


Bárbara Rodrigues
[email protected]

Imprimir