Cidadeverde.com
Economia

Conta de luz continuará com bandeira verde em setembro

Imprimir

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com 

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) anunciou nesta sexta-feira (26) que manterá a bandeira tarifária verde, sem acréscimos à tarifa de energia, para todos os consumidores no mês de setembro.

A agência afirma que a manutenção da bandeira reflete boas condições de geração de energia elétrica, mesmo considerando previsão de crescimento do consumo de energia no país. É o quinto anúncio de tarifa verde desde o fim da bandeira escassez hídrica, que durou de setembro de 2021 até abril deste ano.

Para os consumidores beneficiários da tarifa social, que não precisaram pagar a bandeira escassez hídrica, a bandeira verde é válida desde dezembro de 2021. Antes disso, esses consumidores pagavam a tarifa amarela. A mudança representou uma diminuição de R$ 1,87 para cada 100 kWh gastos.

Podem se beneficiar da tarifa social as famílias que estejam inseridas no CadÚnico, do governo federal, e tenham renda por pessoa de até meio salário mínimo por mês (R$ 606).

Quem recebe o BPC (Benefício de Prestação Continuada), benefício do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) destinado a idosos a partir de 65 anos ou portadores de deficiência em situação de miserabilidade, também tem direito à tarifa social.

Além disso, famílias com renda mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.636) que tenham membros com doenças ou deficiências cujo tratamento médico depende de equipamentos que demandem consumo de energia podem solicitar a inclusão no programa.

O QUE SÃO AS BANDEIRAS TARIFÁRIAS?

O sistema de bandeiras tarifárias foi adotado em 2015 para indicar, na conta de luz, os custos da geração de energia elétrica. As três cores usadas nas bandeiras -verde, amarela ou vermelha- imitam o alerta de um semáforo para sinalizar o nível de preço para se manter a oferta de energia.

As tarifas de energia e as bandeiras não são a mesma coisa. As tarifas são a maior parte da conta de luz e servem para cobrir os custos de geração, transmissão e distribuição da energia elétrica, além dos encargos setoriais. Já as bandeiras refletem os custos da geração, que são variáveis de acordo com a fonte.

 

Fonte: Folhapress 

Imprimir