Cidadeverde.com
Esporte

Radar da seleção: Antony e Raphinha brilham e ficam ainda mais perto da Copa

Imprimir

Setor mais concorrido da seleção brasileira, o ataque ganhou há um ano novos candidatos a defender o time nacional na Copa do Mundo do Catar.

Antony é jogador do Ajax e tem se destacado com a camisa da Seleção Brasileira - Foto - Lucas Figueiredo - CBF

Os jovens Antony e Raphinha foram as maiores novidades do técnico Tite nos últimos 12 meses. E eles vêm correspondendo às expectativas, como mostraram neste fim de semana, na Europa.

Antony vinha sendo o grande assunto dos últimos anos, pela transferência do Ajax para o Manchester United, o que consolida seu nome no futebol europeu.

As expectativas criadas pelo torcedor inglês não pesaram sobre os ombros do atacante de 22 anos. Ele foi oficializado como reforço da equipe na terça passada. Na quinta, foi apresentado. E, no domingo, fez gol em clássico.

A cria da base do São Paulo fez uma ótima estreia, direto como titular. E foi o autor do primeiro gol do Manchester na vitória sobre o Arsenal por 3 a 1, no domingo, pelo Campeonato Inglês.

Substituído aos 13 minutos do segundo tempo, para dar lugar a Cristiano Ronaldo (que passou em branco), o brasileiro formou trio com Bruno Fernandes e Jadon Sancho, logo atrás do centroavante Rashford.

O placar e a boa atuação individual são trunfos de Antony na disputa direta com rivais da seleção que também estavam em campo neste domingo.

Os atacantes Gabriel Jesus e Gabriel Martinelli foram titulares e passaram em branco, sem gols ou assistências. Na zaga, Gabriel Magalhães teve atuação discreta, assim como Casemiro e Fred, que entraram no segundo tempo no United.

Tanto Antony quanto Raphinha foram convocados há um ano. O primeiro, ainda com a camisa do Ajax, foi chamado pela primeira vez em 24 de setembro de 2021.

Raphinha, no Leeds na época, ganhou sua primeira oportunidade em 13 de agosto. E, assim como Antony, foi "promovido" nesta temporada europeia. Agora defende as cores do poderoso Barcelona.

No sábado, ele marcou seu primeiro gol com a camisa do Barça em um jogo oficial - já havia marcado duas vezes nos amistosos de pré-temporada. Em sua terceira partida como titular, anotou o primeiro gol da vitória por 3 a 0 sobre o Sevilla, fora de casa, pelo Campeonato Espanhol.

Como aconteceu com Antony, Raphinha atuou numa posição que pode ser a mesma na seleção. Na ponta esquerda, formou trio com Robert Lewandowski e Dembélé. Ele atuou por 90 minutos em sua quarta partida oficial na temporada europeia.

RICHARLISON

Outro que tem grande chance de aparecer na lista final de Tite para a Copa do Mundo é Richarlison. Ainda buscando seu espaço no Tottenham, ele foi titular na vitória sobre o Fulham por 2 a 1.

Jogando ao lado de Heung-min Son e Harry Kane, o brasileiro deu assistência para o gol de Hojbjerg e até balançou as redes nos acréscimos. Mas o gol foi anulado pelo VAR.

DUPLA DO REAL MADRID

Se a presença de Vinicius Junior é quase certa no Catar, a vaga de Rodrygo ainda está em processo de construção.

No sábado, ele reforçou seus créditos com Tite ao anotar o gol da vitória do Real sobre o Betis por 2 a 1, em casa, no Campeonato Espanhol. O atacante foi titular, mas foi substituído aos 35 minutos do segundo tempo.

Vinicius Junior, por sua vez, jogou os 90 minutos. E também deixou sua marca. O zagueiro Éder Militão, num desempenho discreto, mas sem comprometer, também esteve em campo como titular.

BRASILEIROS DO PSG

Não é novidade ver o Paris Saint-Germain vencendo no Campeonato Francês. Nem mesmo pelo placar de 3 a 0, sem sofrer gols, graças ao bom desempenho de Marquinhos, principal zagueiro do time francês.

A novidade no jogo de sábado foi ver Neymar começando o jogo no banco de reservas, por opção do técnico Christophe Galtier.

O atacante entrou em campo somente aos 17 minutos do segundo tempo, no lugar de Mbappé. A essa altura, o PSG já vencia o Nantes por 2 a 0, fora de casa.

Com pouco tempo em campo, o brasileiro passou em branco, sem gols ou assistências. Lá atrás, Marquinhos ajudou a assegurar o placar zerado para o PSG ao longo dos 90 minutos.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir