Cidadeverde.com
Política

Rafael Fonteles projeta geração de 80 mil novos empregos e promete combater facções

Imprimir

O candidato a governador do Piauí, Rafael Fonteles (PT), afirmou nesta terça-feira (13) que, se for eleito, pretende atuar para gerar 80 mil novos empregos no estado. A estratégia, segundo o ex-secretário de Fazenda, é a de promover a facilidade de crédito, capacitação e atração de investimentos. 

“Com acesso a crédito facilitado, com a nossa Agência de Fomento, transformando em um banco digital, com assistência técnica especializada e capacitação aos empreendedores e pequenos agricultores, também melhorando o ambiente de negócio e atração de grandes empreendimentos, usando a estratégia de grandes parques industriais, como a ZPE. Com tudo isso, vamos gerar 80 mil novas oportunidades”, declarou o candidato, ao Notícia da Manhã. 

Rafael Fonteles também enfatizou que pretende informatizar todo o Governo do Estado. “Isso tudo será feito para o Piauí acelerar ainda mais e ocupar as primeiras posição no Piauí e Brasil em qualquer critério”, frisou.  

Foto: Renato Andrade/ Cidade Verde

 

O candidato do PT também fez acenos ao setor privado e pontuou a necessidade da harmonia entre o Poder Estadual, empreendedores e investidores. Para ele, as prioridades são os setores do turismo, comércio atacadista, geração de energia e tecnologia. 

“O setor público tem que andar junto do setor privado, em harmonia para o desenvolvimento com obra, incentivo fiscal, até mesmo subversões econômicas para atrair o investidor privado. Temos que avançar mais no turismo, comércio atacadista. O Piauí tem uma vocação geográfica de ser um entreposto comercial, então, queremos avançar, além da energia limpa, também no setor da tecnologia, que é o que mais cresce”, afirmou. 

Foto: Renato Andrade/ Cidade Verde

SEGURANÇA 

Na segurança, Rafael Fonteles prometeu nomear 1 mil novos homens para a Polícia do Piauí, caso seja eleito a assuma como governador no dia 01 de janeiro de 2023. Ele reconheceu a presença de facções criminosas no estado e disse que atuará diretamente com o Alto Comando da Polícia Militar para combater os grupos. 

“Está como prioridade no nosso plano de governo a questão da segurança pública, primeiro quero dizer ao povo do Piauí que vamos conduzir isso de forma pessoal, direto com o Alto Comando [...] Nós colocamos pelo menos 1 mil novos homens por ano para chegar perto do índice que é indicado pela ONU”, declarou. 

Questionado sobre o teto de gastos para realizar as novas contratações, o candidato pontuou que a Idea é fazer contratações escalonadas e acrescentou que não vai apenas jogar “propostas para a platéia”. 

“Com esse planejamento meu é possível, por isso que não estou aqui jogando para a platéia, dizendo que vou contratar de 6 a 10 mil homens, porque não é possível ser feito de uma vez, por isso essa proposta escalonada”, disse.

TRANSCERRADO 

O petista também falou sobre uma das metas colocadas em seu Plano de Governo, documento protocolado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PI) com as propostas de cada candidato: concluir a rodovia Transcerrado, PI-397, obra que se arrasta há décadas. 

Rafael Fonteles classificou a meta como “fácil” de ser realizada e explicou que o plano é fazê-lo através de Parceria Público Privado e com recursos da bancada federal do Piauí. 

“Essa passou a ser uma meta fácil, porque você tem 330km, tem 90 km feitos, você vai ter cerca de 130 km dentro da PPP, que já está em execução, então, você terá 202 km concluídos pela PPP, e que será mantido e operado e os outros 110 km, você já tem o recurso indicado pelo senador Marcelo Castro”, disse. 

UESPI 

Na educação, Rafael Fonteles também fez acenos para a Universidade Estadual do Piauí (Uespi). Ele reconheceu os problemas estruturais da instituição e disse que suas prioridades serão as de estruturar todos os campi e sanar a problemática da falta de professores em determinador cursos. “Primeiro temos que cuidar  da estrutura que já tem”, disse.

LEGADO DE WELLINGTON DIAS

Rafael Fonteles avaliou que o principal legado deixado pelo ex-governdor W.Dias, de quem busca a sucessão, foi o fim de uma dependência do Governo do Estado em relação ao Governo Federal par a realização de obras no Piauí. 

Em relação a constante mudanças no cenário político, com a troca de lado entre base governista e oposição, por parte de prefeitos, Rafael Fonteles classificou como natural no processo das eleições. 

“Claro que podem ter pequenos movimentos, mas a nossa candidatura tem a grande maioria. Não há dúvida que pelo menos 2/3 apóiam a nossa candidatura. Fizemos uma reunião importante para alinhar. Portanto, estamos com um time forte e unido”, finalizou.  

 

Paula Sampaio
[email protected]

Imprimir