Cidadeverde.com
Cidades

TJ-PI celebrou mais de R$ 1,6 milhão em acordos judiciais em 2022

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde

Os 107 acordos celebrados pelo Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI) nos oito primeiros meses de 2022 totalizam R$ 1.647.755,69, como mostram os dados divulgados nesta sexta-feira (23) pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (NUPEMEC).

No mesmo período foram realizadas 561 audiências nos os Centros Judiciários de Solução de Conflitos (CEJUSCs), unidades que realizam sessões e audiências de conciliação, mediação, além de atendimento e orientação aos cidadãos, abrangendo os três setores: setor pré-processual, setor processual e setor de cidadania.

“Mais importante que o valor monetário dos acordos celebrados, é a maneira com que a solução do conflito foi construída, com participação ativa e protagonismo das partes. Por essa razão, a resolução acordada nas sessões de mediação e conciliação costuma ser considerada mais justa, já que os próprios envolvidos a constroem”, afirma o juiz Virgílio Madeira, coordenador do NUPEMEC. 

Foto: Divulgação/TJ-PI

De acordo com o magistrado, cada mediação e conciliação realizada contribui para a efetivação de um ambiente de paz onde as partes, por meio do diálogo mútuo, intermediado por um sujeito (mediador/conciliador) neutro e capaz, são capazes de enfrentar o conflito, criando, elas mesmas, a solução ideal, ditada por suas próprias conveniências e interesses.

“Sem sombra de dúvida, é uma quebra de paradigma, representando um salto civilizatório muito importante, não somente para as partes, mas para toda sociedade. Uma sociedade que dialoga é uma sociedade vitoriosa. É a forma mais rápida, eficaz e justa para a solução dos conflitos”, destaca o juiz Virgílio Madeira.

Por fim, Virgílio Madeira reforça que a conciliação do conflito pode ser solicitada em qualquer área: família, partilha de bens, dívidas em bancos, danos morais e questões de vizinhança, por exemplo, e têm força de decisão judicial, pois os acordos são homologados por um juiz.

 

Breno Moreno (Com informações do TJ-PI)
[email protected]

Imprimir