Cidadeverde.com
Esporte

Capello lembra passagem de Ronaldo pelo Real Madrid: 'Gostava das festas'

Imprimir

Ex-treinador do Real Madrid, Fabio Capello comentou sobre a passagem de Ronaldo pelos merengues. No evento "Il Festival dello Sport", realizado no último domingo, ele relembra que foi responsável pela saída do Fenômeno da Espanha.

Conhecido por seu estilo disciplinador com os jogadores, o técnico italiano conta que, durante sua segunda passagem pelo Real Madrid como técnico, Ronaldo muitas vezes faltava aos treinamentos. "Algumas vezes ele nem sequer treinava. Gostava muito de festas e mulheres", contou Capello.

"Ser treinador do Real Madrid é uma grande responsabilidade. Tive a decisão de mandar o Ronaldo embora para contratar o Cassano. Isso ajudou a criar um espírito vencedor na equipe. Recuperamos nove pontos de atraso para o Barcelona faltando 10 rodadas".

O ex-treinador afirma que se orgulha até hoje da decisão tomada em relação ao atacante e resultou, de acordo com o italiano, na arrancada para o título do Campeonato Espanhol, na temporada 2006/07.

Além disso, Capello foi o responsável por trazer alguns do "galácticos" ao clube.

"O Real Madrid é o time que mais marcou o meu coração porque eu tive que construí-lo trazendo jogadores que eu achava que poderiam fazer a diferença. Eu tinha quatro jovens de 20 anos no time principal. Trouxe Seedorf da Sampdoria e Roberto Carlos para a defesa", afirma.

Enquanto ainda estava no Real Madrid em 2007, afirmou achar engraçado quando Silvio Berlusconi, então presidente do Milan, decidiu pela contratação de Ronaldo, recém saído da Espanha.

"Lembro que ele (Silvio Berlusconi) me telefonou para perguntar sobre o Ronaldo. Eu disse que contratá-lo seria um erro. No dia seguinte vi a manchete do jornal que mostrava ele no Milan. Foi muito engraçado".

Além do Real, Capello tem passagens em grandes clubes, como Milan, Juventus e Roma. Ele também disputou duas Copas do Mundo como treinador: 2010, com a Inglaterra, e 2014, com a Rússia. Antes de iniciar sua carreira de técnico atuou como volante no futebol italiano.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir