Cidadeverde.com
Cidades

MP denúncia suplente de vereador por homofobia contra prefeita de Piripiri

Imprimir

Foto: Ascom/Prefeitura

O Ministério Público do Piauí (MP) denunciou o suplente de vereador conhecido como Jota Júnior pelo crime de homofobia contra a prefeita de Piripiri, Jôve Oliveira (PT). 

Na denúncia, o promotor Hérson Luís de Sousa Galvão descreveu que o denunciado usou o Facebook para ofender a “dignidade e decoro através de elementos de caráter homofóbico”. Na publicação, Jota Júnior escreveu o seguinte: “Todo dia, aliados metem o pau na gestora (apesar dela não gostar)...”, diz postagem do Jota Júnior. Em outra mensagem, ele escreve frases com teor homofobico. 

Segundo o MP, a vítima ainda informou que recebeu diversos prints da publicação de familiares e amigos, e que, apesar de já o conhecer, nunca teve desavença pessoal.

O promotor disse que a publicação obteve 22 comentários e 47 reações, caracterizando uma expressiva quantidade de pessoas que interagiram com essa publicação.

No texto, ainda consta o relato de que o denunciado em sede policial usou do seu direito de permanecer em silêncio e falar somente em juízo.

A postagem em questão foi feita no ano de 2021, em abril, após a eleição da gestora. O advogado do caso, Humberto Chaves, explicou que o MP aguardava a conclusão do inquérito para oferecer a denúncia.

Ele relatou que foi oferecida uma notícia crime contra J Júnior e outras duas pessoas.  No caso do suplente de vereador, por se tratar por um crime de injúria racial homofóbica,  a competência passou para o órgão. 

“O MP denunciou somente agora, fez requerimentos e que fosse ouvido o J Júnior foi ouvido o inquérito, que foi concluído somente no dia 22 de setembro, e o delegado pediu o indiciamento de J Jota injuria racial”, explicou. 

Em nota, o suplente disse que a postagem foi no calor da emoção política e que foi deletada.

"No calor da emoção política, fui infeliz ao fazer tal publicação. Um dia depois até apaguei a nota das minhas redes sociais por achar desnecessária. Mas em nenhum momento eu quis atingir a dignidade de alguém por ser homofóbico. Eu abomino situações com esse cunho.

 

Paula Sampaio 
[email protected]

Imprimir