Cidadeverde.com
Vida Saudável

Outubro rosa: Prótese de silicone prejudica a realização da mamografia? Entenda

Imprimir

 

Foto: Ascom/Governo de São Paulo

 


O câncer de mama é um dos tipos de câncer mais comum entre as mulheres, com mais de 66 mil casos no Brasil em 2021 segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Pensando nesse cenário, a campanha Outubro Rosa surgiu com o objetivo de alertar as mulheres sobre a importância do diagnóstico precoce da doença, que é feito a partir de exames de rotina, como a mamografia. Mas será que é possível realizar o exame tendo próteses de silicone?

Segundo o cirurgião plástico Pedro Lozano, realizar a mamografia com implantes é extremamente seguro e eficiente. “A única recomendação é avisar para quem está realizando o exame sobre as próteses para que ele seja realizado da forma correta, mas não há nenhum impedimento para a realização da mamografia, muito pelo contrário: é fundamental fazer o acompanhamento rotineiramente”, acrescenta. 

Além disso, o especialista afirma que existem muitas dúvidas importantes sobre o assunto “silicone x câncer de mama”, como:


-As próteses aumentam o risco de contrair a doença?

Não. Os riscos para quem possui implantes é o mesmo para quem tem seios naturais. “O que influencia o câncer são fatores como histórico familiar, idade e estilo de vida. Diversos estudos realizados ao longo dos anos não mostraram qualquer relação entre o silicone e a doença”, detalha. 

 
- Eu preciso realizar mamografia com mais frequência se possuo implantes?

A frequência da realização da mamografia é a mesma para quem tem ou não silicone. O recomendado é que mulheres a partir dos 40 anos realizem o exame uma vez ao ano, a não ser que tenham forte predisposição genética. Nesses casos o ideal é iniciar a monitoração mais cedo. “Toda mulher é diferente, por isso, é preciso procurar um especialista para entender quando o exame deve começar a ser realizado, o que independe da presença ou não de implantes”, explica o especialista.


- A mamografia pode danificar minhas próteses?

Durante o exame, o tecido mamário é apertado pela máquina, o que pode deixar pacientes que possuem silicone com medo de romper ou danificar os implantes. Porém, não existem chances de isso acontecer. “Na mamografia são utilizadas técnicas específicas que movimentam a prótese para expor o máximo de tecido possível. Além disso, caso o silicone não se mova o suficiente, o médico pode recomendar uma opção de imagem adicional ou alternativa, como ultrassom ou ressonância magnética”, conta.


O especialista ressalta que os exames de rotina são indispensáveis na vida de qualquer mulher, pois o diagnóstico precoce é essencial para um tratamento eficaz e com mais chances de cura. “Prevenção é vida. Não deixe de monitorar sua saúde com um médico de confiança”, finaliza.

 

Da Redação
[email protected]

Imprimir