Cidadeverde.com
Entretenimento

Humberto Carrão critica repercussão do fim de seu casamento: 'foi machista'

Imprimir

Foto: Victor Chapetta / AgNews

O ator Humberto Carrão, em entrevista ao jornal O Globo, desabafou sobre o fim do seu casamento com a atriz Chandelly Braz, com quem estava dez 10 anos. O término veio em agosto desse ano e, para Carrão, a proporção que o tema tomou na mídia e entre os fãs não foi algo que o deixou confortável.

Para ele, a alegria que muitos tiveram ao saber sobre o fim da sua relação foi pouco cuidadosa. "Foi machista. Essa exaltação do solteiro…A coisa não é dividida da mesma forma para os dois lados. Achei que foi pouco cuidadoso com o casal, principalmente com a mulher", declarou.

O artista também contou que sua relação com a ex é boa e ambos dividem os cuidados da cadelinha Mattia, que adotaram quando estavam juntos.

Humberto Carrão disse estar surpreso sobre como as pessoas ficam criando histórias sobre os locais que o ator gosta de frequentar, inclusive, indicando como dicas de passeios pelo Rio de Janeiro. "Me pediram para indicar programas legais a quem chega à cidade, mas colocaram num tom como se eu tivesse dando dicas de onde pessoas solteiras podem me encontrar. Foi estranho", contou.

O ator falou sobre a posição de galã que alguns insistem em rotulá-lo e contou que não se vê nessa posição nem na vida profissional e nem na pessoal. "Isso é uma projeção de Twitter e eu não compro". Atualmente ele tem se dedicado na divulgação do seu novo trabalho na Globoplay, a série Rota 66 - A História da Polícia que Mata.

Ainda sobre sua relação com as redes sociais, Carrão, criticou a supervalorização as métricas e seguidores. "Acho triste que a quantidade de seguidores ajude a escalar ator. Um milhão de seguidores significa que você vai ganhar mais no seu salário, nas propagandas. Então, não pode perder seguidores e nem se comprometer. Eu não tenho problema em perder seguidores, ainda mais por postar o que acho importante", afirmou, deixando claro o seu não interesse em ter tanta exposição.

 

Fonte: Estadão Conteúdo 

Imprimir