Cidadeverde.com
Entretenimento

Empresa de Kanye West perde contrato com astros da NFL e NBA após polêmicas

Imprimir

Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

O jogador de futebol americano Aaron Donald e o jogador de basquete Jaylen Brown romperam contratos que tinham com a Donda Sports, agência de marketing esportivo de Kanye West, após as falas antissemitas do rapper.

Donald, estrela do Los Angeles Rams na NFL, e Brown, astro do Boston Celtics na NBA, foram os primeiros atletas a assinarem com a Donda, lançada em maio.

"Nossa família tomou a decisão de se separar da Donda Sports", disse Donald, campeão do último Super Bowl, em um comunicado com a esposa dele, Erica.

"Os recentes comentários e demonstrações de ódio e antissemitismo são exatamente o oposto de como escolhemos viver nossas vidas e criar nossos filhos", acrescentou o jogador da NFL.
"Sempre me posicionei, e continuarei a me posicionar, fortemente contra o antissemitismo, discurso de ódio e retórica opressiva de qualquer tipo", declarou Brown, em nota.

Kanye West, também conhecido como Ye, usou uma camiseta com a frase "White Lives Matter" ("Vidas Brancas Importam", em inglês) na Paris Fashion Week, fazendo referência ao movimento "Black Lives Matter" ("Vidas Negras Importam").

Dias depois, o rapper fez comentários antissemitas no Twitter ao rebater um músico que criticou West por ironizar o movimento antirracista.

Ye ainda gerou revolta ao dizer que George Floyd não morreu asfixiado. Ele disse que a morte foi causada por fentanil (medicamento de uso controlado e normalmente utilizado para a anestesia), encontrado em pequena quantidade no organismo de George, que morreu em 2020, vítima de violência policial nos Estados Unidos.

Em meio às polêmicas, o presidente da Donda, o jogador de futebol americano Antonio Brown, saiu em defesa de Kanye West.

"O sensacionalismo e o pensamento de grupo forçaram as pessoas a não falar o que pensam e agir com medo em vez de amor. Por essas razões, mantenho minha dedicação à liberdade de expressão, pensamento e opinião", declarou.

Fonte: Folhapress

Imprimir