Cidadeverde.com
Últimas

Procurador cobra ação da PM-PI em manifestações bolsonaristas e pede nome de envolvidos

Imprimir

Foto: Arquivo/ Cidadeverde.com

O Procurador-Geral de Justiça do Ministério Público do Piauí, Cleandro Alves de Moura, expediu na terça-feira (1) uma recomendação para que a Polícia Militar do Piauí, atue imediatamente para garantir a desobstrução de todas as vias públicas que possam ter o trânsito interrompido e que seja realizada a identificação dos envolvidos nos atos que estão sendo realizados, com obstrução de vias, por bolsonaristas que não aceitam o resultado do 2º turno.

A recomendação foi encaminhada ao secretário de Segurança Pública, o coronel Rubens da Silva Pereira, e ao comandante-geral da Polícia Militar, o coronel Scheiwann Lopes.

A decisão é com base no movimento que tem sido realizado por bolsonaristas que não aceitam a vitória de Lula (PT) no 2º turno e contestam o resultado da eleição. Em todo o país, bolsonaristas impediram a passagem de veículos em rodovias. No Piauí, um grupo com cerca de 40 integrantes bloqueou o trecho da BR-316  na terça-feira (1) que dá acesso à ponte da Tabuleta, entre Teresina e Timon (MA), e só liberou 12h após o início do protesto.

Na recomendação o procurador afirmou que já existe uma decisão do ministro Alexandre de Moraes para que a Polícia Militar atue nos casos de desobstrução das vias. Ele então pediu que a PM adote todas as medidas necessárias para realizar a desobstrução de todas as vias que tiverem o trânsito interrompido, garantindo a segurança dos pedestres, motoristas, passageiros e dos próprios participantes do movimento que porventura venham a se posicionar em locais inapropriados.

O procurador-geral do MP também pede que sejam identificadas as pessoas envolvidas, bem como os proprietários e aqueles que estiverem na posse de eventuais caminhões, veículos e coisas utilizados para bloqueios, obstruções e interrupções, para que os nomes sejam encaminhados ao órgão para serem responsabilizados.

O procurador ainda dá uma prazo de 24h para que sejam informadas todas as medidas que estão sendo adotadas.

Bárbara Rodrigues
[email protected]

Imprimir