Cidadeverde.com
Últimas

Criminosos explodem três agências bancárias em cidade da Bahia

Imprimir

Foto: Reprodução/TV Bahia 

Criminosos explodiram três agências bancárias em Muritiba, cidade no Recôncavo Baiano (BA), a cerca de 140 km de Salvador. A ocorrência foi registrada na madrugada desta segunda (7), por volta de 3h20, na Caixa Econômica, Bradesco e Banco do Brasil, e se assemelha às do novo cangaço, com ações em massa em cidades de menor população.

O caso aconteceu exatamente um mês depois de três agências dos mesmos bancos serem alvos de explosões em Irará (BA). Até o momento não há informações sobre uma possível ligação entre os crimes.

Imagens feitas por testemunhas logo após o crime registraram portas e vidraças dos bancos destruídas.

Apesar da proximidade entre os casos de Irará e Muritiba, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia afirmou em nota à Rede Bahia, afiliada da Globo no estado, que entre janeiro e setembro houve uma redução nos casos de roubos a agências, com 11 ocorrências este ano contra 39 no ano passado.

A reportagem tenta contato com a Polícia Civil para apurar a identificação e prisão de suspeitos e detalhes sobre os prejuízos deixados pelos criminosos. Assim que houver retorno, a matéria será atualizada.

Em contato com a reportagem, o Bradesco informou que não irá se pronunciar sobre o caso. Já o Banco do Brasil afirmou que "colabora com as investigações policiais, e aguarda a perícia no local". A agência afetada não funcionará hoje e os clientes que desejam fazer transações presenciais são aconselhados a ir às unidades de São Felix e Governador Mangabeira.

A Caixa Econômica Federal declarou que só irá transmitir detalhes da ocorrência à polícia e que o prazo de reabertura da agência em Muritiba "será informado assim que for definido", orientando os clientes afetados a procurar canais remotos e digitais durante os reparos no banco, disponíveis no link www.caixa.gov.br/atendimento, ou recorrerem a atendimento presencial em outras agências da cidade e em municípios vizinhos.

 

Fonte: Folhapress 

Imprimir