Cidadeverde.com
Política

Severo Eulálio defende consenso na base aliada para eleição da presidência da Alepi

Imprimir

Após conseguir consenso dentro do MDB, o deputado Severo Eulálio (MDB) quer ampliar o diálogo com os demais partidos com bancada na Assembléia Legislativa do Piauí (Alepi) em busca de uma candidatura única para a disputa da presidência da Casa. 

Na noite de segunda-feira (07) os outros dois emedebistas que pleiteavam a vaga, Georgiano Neto e João Madison, desistiram da eleição e reafirmaram apoio ao colega de partido, que agora inicia conversa com as demais siglas, tanto da base como da oposição. 

Agora é momento realmente de diálogo. conversar com o PP, com a bancada da oposição. temos também o deputado Evaldo Gomes [Solidariedade] que iremos conversar para buscar o entendimento”, afirmou Eulálio em entrevista ao Jornal do Piauí. 

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com

Assim como o MDB, o PT também quer a presidência da Alepi e lançou a candidatura do deputado Franzé Silva. Como se tratam de partidos aliados, a intenção é manter o diálogo na base aliada para evitar um eventual acirramento de ânimos, como aconteceu em 2015.

Naquele ano PT e MDB rivalizam uma das eleições mais disputadas pela presidência da Alepi, com as candidaturas de Fábio Novo e Themístocles Filho, que se saiu vitorioso naquela ocasião mas com poucos votos de diferença. 

“O momento é de diálogo, com todos os parlamentares. Que nós possamos conversar, mostrar o que pode ser feito, tratar a Assembleia para os próximos dois anos”, reforçou o candidato do MDB durante a entrevista. 

TCE

Pai do deputado, o conselheiro Kléber Eulálio desistiu de disputar a eleição pela presidência do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que acontece na próxima sexta-feira (11). “Não existe impedimento legal, mas ele já abriu mão da disputa”, assegurou Severo Eulálio.  

Sem interferência

De acordo com o emedebista, a busca por entendimento também é uma orientação do governador eleito Rafael Fonteles (PT). Apesar de garantir que não iria intervir na eleição do legislativo, o petista teria pedido consenso aos membros da base aliada. 

“Ele sempre nos deixou muito tranquilo quanto a isso, não tem veto a nenhum dos nomes da bancada do governo, ele só pediu para possamos ter um dos 22 deputados eleitos pela base como o candidato a presidente”, finalizou o candidato do MDB.

Breno Moreno
[email protected]

Imprimir