Cidadeverde.com
Geral

Líder comunitário sob proteção é encontrado morto em Sergipe

Imprimir

O líder comunitário Uilson de Sá da Silva, que desde 2019 fazia parte de um programa de proteção após sofrer ameaças, foi encontrado morto dentro de sua casa nesta terça-feira (29) no bairro Santa Maria, em Aracaju (SE).

Silva atuava como missionário e era presidente da Associação de Catadores de Mangaba de Aracaju, que reúne trabalhadores extrativistas da fruta típica de áreas de restinga em estados do Nordeste.

Há pelo menos cinco anos, ele atuava na contra a urbanização da Região das Mangabeiras, área da capital sergipana que possui cerca de 6.000 mangabeiras e 2.000 cajueiros. O ativismo em favor dos extrativistas gerou conflitos e Silva recebeu ameaças.

Por iniciativa do Ministério Público Federal, ele foi inserido no Programa Nacional de Proteção a Defensores de Direitos Humanos em 2019.

A polícia informou que Silva foi encontrado sem vida em sua casa com sinais de asfixia por enforcamento. O corpo foi periciado e novos exames serão realizados para identificar a causa da morte.

Um inquérito foi instaurado pela Polícia Civil, que vai ouvir testemunhas, incluindo familiares e pessoas que possam contribuir para elucidação da morte do ativista.

"Iniciamos os trabalhos periciais e encontramos elementos um tanto incomuns. Mas são elementos que não suficientes para afirmar suicídio ou homicídio. Então tivemos que lançar mão de exames complementares", informou o perito criminal George Queiroz.

A Procuradoria informou que abriu procedimento para acompanhar as investigações da morte do líder comunitário. A procuradora da República Lívia Tinôco pediu apoio da Polícia Federal nas investigações para elucidar as causas e circunstâncias da morte.

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) de Sergipe questionou as razões do que classificou como "crime bárbaro" e cobrou esclarecimentos.

"O assassinato do ativista, que também era missionário e protagonizou a luta em defesa da cultura popular, do meio ambiente e das comunidades tradicionais, deixou todos os parceiros, amigos e companheiros de luta, além dos familiares, em estado de choque", informou em nota a entidade.

Fonte: Folhapress (JOÃO PEDRO PITOMBO)

Imprimir