Cidadeverde.com
Esporte

Suíça sai na frente, leva virada da Sérvia, vira de novo e se classifica na Copa

Imprimir

Foto: Estadão Conteúdo

Em um jogo equilibrado, muito disputado e cheio de gols, a Suíça começou ganhando, levou a virada, foi atrás do empate e virou a partida contra a Sérvia.

O 3 a 2 a classificou em segundo lugar no Grupo G, o mesmo do Brasil, na Copa do Mundo no Qatar.

Com o resultado no estádio 974, em Doha, a Suíça (6 pontos) terminou à frente da Sérvia (1 ponto) e de Camarões (4 pontos), que ganhou dos reservas do Brasil (6 pontos) em Lusail (1 a 0). Os brasileiros ficaram à frente dos suíços no saldo de gols.

Quatro dos cinco gols saíram no primeiro tempo. O meia-atacante Shaqiri, o melhor jogador dos suíços e que ficou no banco na derrota (1 a 0) para os brasileiros, abriu o placar, chutando de canhota de dentro da área. A bola desviou em Pavlovic e tirou a chance de defesa do goleiro Milinkovic-Savic.

Shaqiri celebrou com o dedo em riste, na frente da boca, como se pedisse silêncio aos rivais, em provável alusão à questão política envolvendo o Kosovo, região que em 2008 declarou-se independente da Sérvia, que não reconhece isso. A família do jogador suíço tem raízes no Kosovo.

Precisando derrotar a Suíça para ter chance de não parar na fase de grupos da Copa, o treinador Dragan Stojkovic resolveu ousar no ataque, e funcionou provisoriamente.

Pela primeira vez no Mundial, os temidos centroavantes Mitrovic, 28, de 1,89 m, e Vlahovic, 22, de 1,90 m, foram escalados juntos desde o começo do jogo.

Atleta do Fulham (Inglaterra), Mitrovic, que é o maior goleador da história da seleção sérvia (iniciou a partida com 51 gols), foi titular diante de Brasil e Camarões. Vlahovic, da Juventus (Itália), entrou no segundo tempo na estreia e ficou na reserva contra os camaroneses.

Os dois marcaram na primeira etapa. Mitrovic fez primeiro, de cabeça, e Vlahovic acertou um chute de esquerda, de dentro da área -o camisa 18 colocou o dedo indicador na frente da boca, como em resposta ao ato anterior de Shaqiri.

Frios, os suíços não pareceram abalados mesmo com dois desfalques (o goleiro Sommer e o zagueiro Elvedi, doentes) e, perto do fim da etapa, igualaram com Embolo -o segundo gol dele no Mundial.

E, no segundo tempo, em jogada bem trabalhada pela direita, que culminou com aparição surpresa na área do volante Freuler, a Suíça tomou novamente a dianteira no placar para não mais perdê-la.

É a terceira vez nas últimas quatro Copas que a Sérvia, que não se classificou para a de 2014, no Brasil, despede-se precocemente da competição.

A Suíça, que já vencera os sérvios na fase de grupos no Mundial de 2018, vai aos mata-matas pela terceira vez nas quatro Copas mais recentes -sempre parou nas oitavas.
O rival dos suíços no mata-mata, na terça-feira (6), é Portugal, de Cristiano Ronaldo, campeão do Grupo H mesmo com derrota na rodada final para a Coreia do Sul.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir