Cidadeverde.com
Esporte

Carrasco do Brasil, goleiro croata jogou basquete e quis ser diplomata

Imprimir

Depois de brilhar nas oitavas de final, pegando três pênaltis, e ajudando a Croácia a eliminar o Japão nas penalidades, o goleiro Dominik Livakovic voltou a ser destaque, desta vez para deixar o Brasil pelo caminho.

O arqueiro croata fez ótimas defesas no tempo normal, salvou uma bola nos acréscimos da prorrogação -que terminou-, levando a partida para os pênaltis.

Ele ainda defendeu a cobrança de Rodrygo, a primeira da série, dando tranquilidade aos companheiros, que não erraram 4 a 2 para a Croácia nos pênaltis.

Esta é a segunda Copa do Mundo de Livakovic. Antes de ser jogador de futebol, ele quis ser diplomata e praticou basquete. Para escolher a posição, Casillas serviu de inspiração ao goleiro croata, que é recém-casado.

O goleiro de 27 anos foi um dos reservas de Subasic no Mundial de 2018, na Rússia, quando a Croácia foi vice-campeã, derrotada pela França na decisão. Após o torneio, o goleiro titular anunciou a aposentadoria da seleção.

Foi a chance que Livakovic precisava. O goleiro do Dínamo Zagreb, time croata, estreou como titular no dia 8 de junho de 2019, contra País de Gales, nas eliminatórias para a Eurocopa de 2020. Ele venceu a concorrência de Kalinic e ficou com a posição.

Contra o Japão, Livakovic igualou um recorde em Copas do Mundo ao defender três pênaltis em uma disputa do tipo. A marca foi estabelecida em 2006 pelo goleiro português Ricardo, em jogo contra a Inglaterra, pelas quartas de final do Mundial na Alemanha. 

Em 2018, Subasic, um dos ídolos do atual goleiro croata, também defendeu três penalidades - nas oitavas de final, contra a Dinamarca.

Além de Subasic, Livakovic tem dois espanhóis como inspiração. O grande ídolo é Iker Casillas, campeão do mundo em 2010. Além do ex-goleiro do Real Madrid, De Gea, jogador do Manchester United, também é um exemplo para o goleiro da seleção croata.

"Além do Subasic, meus exemplos são os goleiros espanhóis: De Gea, e Casillas -que foi quem me fez escolher a posição de goleiro quando eu era menino", disse Livakovic em entrevista jornal croata "Jutarnji".

Antes da consagração contra a seleção japonesa, Livakovic já havia mostrado aos seus companheiros de seleção do que era capaz. Nos treinos de pênaltis, o goleiro deixou os colegas assombrados.

"No treino [antes do jogo contra o Japão], praticamos, ele pegou quase todos os pênaltis. E nós pensamos: 'somos realmente muito ruins'. Falamos para ele: 'Você precisa fazer isso no jogo', e ele fez", disse o zagueiro Lovren, que disse estar bastante calmo nas cobranças", disse Lovren, zagueiro croata.

Luka Modric, eleito o melhor jogador do mundo em 2018, também rasgou elogios ao goleiro croata, dizendo que ele passa confiança.

"É um craque. É um ótimo goleiro, sempre temos confiança nele. Sempre demonstrou estar bem", disse.

Livakovic é de uma família influente na Croácia. Seu avô paterno foi médico, quando o país ainda fazia parte da antiga Iugoslávia. O pai do jogador, engenheiro, foi ministro da Infraestrutura.

Além de médico, o avô de Livakovic era um apaixonado por basquete, e sócio de um clube da modalidade na cidade de Zadar, onde o goleiro nasceu. O arqueiro croata chegou a jogar basquete antes de definir sua preferência pelo futebol.

Dominik Livakovic é recém-casado. Em junho, ele se com a designer industrial Helena Matic. O casamento, cheio de pompa, foi na Catedral de Santa Anastasia, em Zadar, na Croácia.

Classificada à semifinal, a Croácia aguarda o vencedor de Holanda x Argentina, que se enfrentam hoje (9), às 16h (de Brasília).

Fonte: UOL-FOLHAPRESS

Imprimir