Cidadeverde.com
Esporte

Ronaldo Fenômeno defende Fernando Diniz como técnico da seleção

Imprimir

Diante da saída do técnico Tite do comando da seleção brasileira, Ronaldo Fenômeno defendeu que Fernando Diniz esteja entre os nomes cogitados para assumir o cargo. O ex-jogador afirmou que o atual técnico do Fluminense seria "um atrativo" porque ele faz seus times "darem espetáculo".

A declaração do pentacampeão foi dada em transmissão no seu canal 'Ronaldo TV' quando comentava sobre uma lista de dez técnicos que poderiam treinar o escrete canarinho.

Os profissionais apontados eram: Abel Ferreira, Cuca, Dorival Júnior, Fernando Diniz, Jorge Jesus, Jorge Sampoli, Mano Menezes, Pep Guardiola, Renato Gaúcho e Rogério Ceni.

"Acho que todo mundo pode se surpreender [com o novo técnico]. Mas, dessa lista, a CBF cogitaria o Fernando Diniz. Tem outros nomes internacionais também que não foram citados. Mas, dessa lista aí, o Diniz talvez seria um atrativo para a seleção brasileira porque é um cara que faz jogar bem, dá espetáculo", afirmou.

Na sequência, Ronaldo ponderou: "Muita gente pode questionar que não ganhou título e como seria com grandes jogadores... São todos bons treinadores, mas estou curioso também para saber as opções. É uma decisão muito importante para o próximo ciclo inteiro, o quanto antes apresentar o nome e começar já a trabalhar, melhor."

No final de novembro, já durante a Copa do Qatar, o Fluminense anunciou a renovação do contrato de Fernando Diniz até 2024.

Outro profissional que chegou a ser ventilado como sucessor de Tite é o treinador do Manchester City, Pep Guardiola. O espanhol teria até sido consultado pela diretoria da seleção brasileira, mas a pedida salarial seria um empecilho -o presidente da CBF negou o contato posteriormente.

Ronaldo ainda respondeu se aceitaria ou não um treinador argentino no comando do Brasil. "O cara teria que ser bem melhor do que o que a gente tem, né. Não vejo um assim [que esteja] na frente dos nossos treinadores, não", finalizou.

Tite deixa o cargo de técnico da seleção brasileira após seis anos. Ele foi anunciado como sucessor de Dunga em junho de 2016 e conquistou a Copa América de 2019.

No entanto, o Brasil foi vice-campeão da Copa América para a Argentina, em 2021, e falhou nas quartas de final das duas últimas Copas -caiu para a Bélgica, em 2018, e agora para a Croácia, nos pênaltis.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir