Cidadeverde.com
Picos

Corte de recursos compromete operação carro-pipa em seis cidades do Piauí

Imprimir

Foto: Reprodução/Exército Brasileiro

Famílias de áreas rurais de seis municípios piauienses em situação de emergência pela seca estão com o abastecimento de água potável comprometido, após o Governo Federal bloquear recursos para a execução da Operação Carro-Pipa (OCP).

De acordo com informações atualizadas que estavam disponíveis até a tarde desta quarta-feira (14) no portal da operação, o serviço estava temporariamente suspenso nas cidades de Campo Alegre do Fidalgo e Simões, no Sul do estado.

Outros municípios do semiárido piauiense como Jacobina do Piauí, Patos do Piauí, São Francisco do Piauí e Paulistana ainda aguardavam o envio de recursos para garantir o fornecimento de água para mais de 11 mil pessoas. 

Imagem: Portal da Operação Carro-Pipa

A Operação Carro-Pipa é uma iniciativa conjunta do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e Ministério da Defesa, executada em cidades do no semiárido do Nordeste e de Minas Gerais pelo Exército Brasileiro, que existe há mais de duas décadas.

Em novembro, no entanto, a operação foi suspensa em alguns municípios após a escassez de recursos depois que o Ministério da Economia bloqueou R$ 21 milhões que estavam previstos para manutenção da operação em dezembro. 

Posteriormente, o Governo Federal publicou portaria no Diário Oficial da União (DOU) abrindo crédito suplementar para normalizar a operação, o que não se concretizou, uma vez que atualmente 56 cidades estão com o serviço suspenso e outras 259 aguardam recurso.

Ao Cidadeverde.com, a assessoria de imprensa do MDR informou que a execução da operação é de responsabilidade do Exército, mas que a pasta trabalha para assegurar a continuidade da operação no Piauí e demais estados. 

“A necessidade de recursos adicionais foi formalmente comunicada ao Ministério da Economia e o MDR aguarda decisão da Junta de Execução Orçamentária (JEO), que deverá se reunir ainda nesta semana para deliberar sobre o assunto”, diz a nota.

Breno Moreno
[email protected]

Imprimir