Cidadeverde.com
Esporte

“Foi muita emoção”, diz argentino que mora no Piauí sobre final da Copa

Imprimir

Fotos: Arquivo Pessoal

O argentino Marcelo Viard, de 41 anos, que mora no município piauiense de Pedro II (a 165 km de Teresina), comemorou intensamente a vitória da Argentina na final da Copa do Mundo do Catar. Ele, que é técnico em Eletroencefalograma, e está no Piauí há um ano, disse que o jogo contra França foi bastante emocionante. 

“Meu coração hoje está bem agora, porque ontem ia explodir. Foi muita emoção”, disse Marcelo em entrevista ao Cidadeverde.com. 

Apesar da derrota na fase de grupos para a Arábia Saudita, o torcedor ressaltou que o sentimento sempre foi que a Argentina merecia ganhar a Copa.

“Eu tinha o sentimento de antes de começar a Copa que a Argentina merecia ganhar. Depois do primeiro jogo muita gente ficou decepcionada, teve muitas brincadeiras com a minha seleção por ter perdido para um país que nunca ganhou, mas Mundial é Mundial e pode acontecer zebra e ontem foi como um desabafo e sinto que Messi aproximou os argentinos”, contou.

Durante os jogos da seleção argentina, Marcelo contou que sempre seguia o mesmo ritual, assistia sozinho e vestia a mesma roupa. Ele disse que não usava a camisa da Argentina por, segundo ele, ter trazido má sorte na primeira partida.

“Quando algo dá certo, a gente continua fazendo a mesma coisa, se chama cábala. Eu não usava a blusa da Argentina no jogo, porque no primeiro jogo, eu usando a blusa, a gente perdeu. Eu usei uma roupa contra o México e usei a mesma roupa nos jogos restantes. Ontem eu assisti sozinho em casa, por causa da cábala, e depois fui comemorar”, acrescentou.

Já sobre a disputa acirrada contra a França, Marcelo contou que já vivenciou outro jogo decisivo nos pênaltis e que estava bastante confiante com seu time.

“A gente já teve outro jogo decisivo nos pênaltis, na Copa América contra Colômbia, então a confiança estava total porque a gente tem um goleiro que ele mesmo é pegador de pênalti e sinceramente, eu estava muito confiante. Os meninos também chutam bem, tinha confiança sim. Não tinha certeza, porque ninguém tem certeza, mas a confiança foi muito”, destacou o torcedor.

Após o jogo, o argentino contou que comemorou o dia todo com seus amigos brasileiros e que também celebrou à distância com sua família. Ele resaltou que seu país ficou em festa. 

“A festa foi até cair rendido na cama, aqui todos os meus amigos brasileiros torciam pela argentina. Aqui na cidade eu vi que a gente é tão apaixonado pelo futebol. Durante o jogo e depois do jogo conversei com a família, meus pais, irmãos, e era só abrir a rede social para ver como o povo argentino estava na rua, em festa”, contou.

 

 

Rebeca Lima
[email protected]

Imprimir