Cidadeverde.com
Esporte

Sarah Menezes faz projeções para 2023 e avalia ano: “Muitas transições”

Imprimir

Foto: Divulgação COB

A piauiense Sarah Menezes viveu na temporada 2022 grandes transições pessoais e profissionais, mas a certeza é que assim como quando estava dentro dos tatames colhe frutos. No final de 2021, assumiu o cargo de técnica da seleção brasileira feminina junto a CBJ e de cara conquistou resultados importantes – três medalhas no Mundial. Nele, as mulheres do Brasil conquistaram dois ouros, com Rafaela Silva e Mayra Aguiar, e uma prata, com Beatriz Souza.

“Foi um ano bem positivo, proativo. Eu acredito que as atletas ficaram muito felizes assim como eu pelos seus desempenhos no Mundial. Um ano de muitas alegrias e aprendizado de forma diferenciada. Eu sou muito grata ao esporte e hoje ser treinadora da seleção, meus companheiros de treinos, que eu convivi muito estando na seleção e hoje eu estou do outro lado dando um pouco de assistência”, frisou Sarah Menezes, técnica da seleção brasileira de judô. 

Paralelo ao convite de assumir a seleção, algo que já era um dos objetivos pessoais. A piauiense campeã olímpica em Londres-12 também vivência a experiencia de ser mãe e unir o profissional ao pessoal todos os dias. Desafio grande, mas que segundo ela não deixa de ser um aprendizado diário. 

Foto: Arquivo Pessoal

“Eu busco sempre está contribuindo com o resultado dos atletas. Minha experiencia eu acredito que conta muito. Eu quero que todos os atletas que chegam à seleção brasileira tenham sua história. Eu gostaria de contribuir”, acrescentou Sarah Menezes.

O ano de 2023 será super importantes, pois se apresenta como uma espécie de reta final dentro de um ciclo olímpico até Paris 2024 que é mais curto do que o habitual. A intenção de Sarah é continuar crescendo e aprendendo agora como técnica e ajudar o país ter grandes resultados dentro dos Jogos Olímpicos. 

“Vai ter a seletiva olímpica novamente, mais uma no inicio de janeiro e em seguida de competição vai ter o Grand Prix em Portugal. Tem muitas vagas abertas. O processo é todo mês de acordo com as competições e quem está no pódio está mais próximo das vagas, algumas categorias já está praticamente decidido os atletas, outras vão brigar até 2024”, disse a técnica da seleção brasileira de judô feminina. 

Os primeiros eventos da temporada 2023 será a nova seletiva olímpica que acontece no começo do mês de janeiro. 

 

Pâmella Maranhão
[email protected]

Imprimir