Cidadeverde.com
Política

Em posse, Rafael promete elevar Piauí para 'Série A' e diz que esperança venceu o medo

Imprimir
  • ONZE.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 23.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 22.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 21.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 20.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 12.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • OITO.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 10.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 09.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 06.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 04.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 03.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 02.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 01.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom

O governador Rafael Fonteles (PT) iniciou o discurso de posse na Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) na manhã desta domingo (01) afirmando que quer elevar o Piauí a “Série A” em critérios de desenvolvimento no país. Ele fez uma metáfora futebolística ao falar sobre o desenvolvimento do estado e disse que o Piauí esteve “na série D” no últimos 100 anos, tendo avançado em categorias no início do governo de Wellington Dias (PT). 

“Essa transformação pela educação já está acontecendo. Queremos acelerar. Por 100 anos o Piauí foi estado da quarta divisão. Não tinha nem como ser rebaixado. No últimos 20 anos deixamos a série do D dos indicadores sociais. Saímos do último lugar em tudo e subimos de categoria […]. O Piauí não tem mais nenhuma cidade no mapa da pobreza dentre as 100 mais pobres, segundo o IBGE. Ainda temos muitos desafios a superar, seja estruturais ou conjunturais, dado o desastre econômico e social do governo federal que acabou de terminar, Graças a Deus. O nosso propósito é levar o Piauí para a série A com nosso plano de governo que traz esse compromisso. É um plano de governo, sobretudo, humano. 

O novo governador seguiu agradecendo a Deus e relembrando a trajetória política do pai, Nazareno Fonteles. Rafael ainda se emocionou ao lembrar da avó. “Quando eu era pequeno ela dizia que eu iria ser governador do Piauí”, disse com a voz embargada. 

Rafael Fonteles seguiu contando sobre ensinamentos que recebeu do senador eleito Wellington Dias e também teceu agradecimentos ao presidente Lula 

“Agradeço ao senador e agora ministro Wellington Dias. Quero aqui destacar dois ensinamentos. Uma frase que ele sempre repete quando vai convidar uma pessoa pra equipe que é 'trabalhar muito, apanhar muito e está sempre sorrindo'. Outro ensinamento que guardo é: 'nunca esqueça de estar sempre no meio do povo. É o povo que garante o seu cargo'. O poder que você tem que exercer. Por isso, não podemos estar sempre dentro de gabinete. Ao presidente Lula, pelo que representa ao país”, disse.

No discurso, Rafael Fonteles ainda citou escritores como Augusto Cury e Fernando Pessoa na célebre frase “Deus quer, o homem sonha, a obra nasce” para falar sobre as metas estipuladas no plano de governo. Uma das mais ousadas delas, também destacada no discurso do governador, a meta de geral 80 mil novos empregos. 

Rafael Fonteles fez críticas ao governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e finalizou a fala dizendo que “A esperança venceu o medo. O amor venceu o ódio. A alegria vencer nas ruas e nas urnas”. 

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com

Ao ser empossado, o governador  também agradeceu aos pais pela criação em um ambiente cristão e destacou frases que, segundo ele, o nortearão no novo governo. 

“Em especial, agradeço aos meus pais pelo valores cristãos. Destaco também dois ensinamentos que me passaram. 'A política só existe se for instrumento para política social'; 'Na hora de decisões difíceis é entregar para o Pai [Deus]”, disse. 

Ele seguiu destacando o perfil que pretende ter como governador e disse que, aquilo já feito em gestões de Wellington Dias e Regina Sousa, será uma “bússola”. Ele disse que assume o Executivo estadual com a missão de adequá-lo as mudanças na tecnologia acontecidas na última década. 

“Temos a juventude, a energia, a experiência política e raizes políticas claras em favor da ciência, educação e Direitos Humanos. O que foi feitos na duas últimas décadas servirão como bússolas. É com esse espírito de adequar as mudanças, e com o compromisso de oferecer soluções alinhadas ao desenvolvimento econômico e justiça social”, disse. 

Segundo ele, o combate à pobreza e o desenvolvimento social serão os dois principais eixos. “Seguiremos firmemente o plano de governo, ancorado na realidade, com metas claras e exequíveis. As propostas tem como base combater a pobreza e melhoras o desenvolvimento social. O objetivo será de alcançar a meta de criar 80 mil novos empregos”, disse.


Flash Paula Sampaio 
[email protected]

  • 24.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 017.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 016.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 014.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 013.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 011.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 010.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 009.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 008.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 007.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 006.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 005.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 004.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 003.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 002.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
  • 001.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com e Roberta Aline/Ascom
Imprimir