Cidadeverde.com
Política

Lula recebe faixa de criança, indígena, mulher negra e pessoa com deficiência

Imprimir

 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) subiu a rampa do Palácio do Planalto neste domingo, 1º, acompanhado por cidadãos que representam "a riqueza e a diversidade do povo brasileiro", como afirmou o cerimonial da posse. Além disso, também levou em uma coleira a cachorra Resistência, adotada por ele e pela primeira-dama, Rosângela da Silva, a Janja, no período em que ele esteve preso em Curitiba.

Lula recebeu a faixa presidencial das mãos de uma mulher negra. Emocionado, Lula vestiu a faixa e acenou aos presentes na Praça dos Três Poderes, repleta de apoiadores. Ele foi ovacionado no salão Nobre do Planalto.

O presidente subiu a rampa acompanhado de representantes de diferentes grupos sociais, como o cacique Raoni, além de uma criança e uma pessoa portadora de deficiência física.

No rito de posse dos presidentes, o mandatário que assume o cargo recebe a faixa das mãos do antecessor. Entretanto, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) deixou o País às vésperas da posse de Lula para não passar-lhe a faixa presidencial.

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress

 

Foto: Ricardo Stuckert

Atualizada às 16h

Em seu primeiro discurso após ser empossado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que democracia venceu as eleições e defendeu o sistema eletrônico de votação. Lula disse ainda que assume o compromisso de "reconstruir" o País e resgatar milhões da pobreza e da fome.

"É sobre estas terríveis ruínas que assumo o compromisso de, junto com o povo brasileiro, reconstruir o País e fazer novamente um Brasil de todos e para todos", disse Lula, no primeiro discurso à Nação após ser empossado no Congresso Nacional como 39º presidente da República do Brasil.

Ele destacou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) aprovada pelo Congresso para viabilizar o pagamento de R$ 600 no Bolsa Família, afirmando que "não seria justo e honesto pedir paciência para quem passa fome". "Diante do desastre orçamentário que recebemos, apresentei ao Congresso Nacional propostas que nos permitam apoiar a imensa camada da população que necessita do Estado para sobreviver. Agradeço à Câmara e ao Senado pela sensibilidade frente às urgências do povo brasileiro Nossas primeiras ações visam a resgatar da fome 33 milhões de pessoas e resgatar da pobreza mais de 100 milhões de brasileiras e brasileiros, que suportaram a mais dura carga do projeto de destruição nacional que hoje se encerra."

Para Lula, nenhuma nação se ergueu "nem poderá" se erguer sobre a miséria de seu povo. "Este compromisso começa pela garantia de um Programa Bolsa Família renovado, mais forte e mais justo, para atender a quem mais necessita", disse.

Foto: Gerdan/Câmara dos Deputado

Democracia

No primeiro discurso à Nação após ser empossado no Congresso Nacional, Lula afirmou que a democracia foi a "grande vitoriosa" das eleições, superando uma "abjeta campanha de ódio"

"Nunca recursos do Estado foram tão desvirtuados em nome de um projeto autoritário", disse Lula, que pouco antes fez o juramento à Constituição e assinou o termo de posse entregue pelos presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Além das autoridades presentes, Lula cumprimentou ainda a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), aplaudida no plenário da Câmara dos Deputados.

Segundo Lula, que elogiou a atuação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a democracia superou as "mais violentas ameaças à liberdade de voto". "Nunca os eleitores foram tão constrangidos pelo poder econômico. A decisão das urnas prevaleceu graças ao sistema eleitoral, foi fundamental a atitude corajosa do poder judiciário em especial do TSE, para fazer prevalecer a verdade das urnas sobre a violência de seus detratores", afirmou o presidente, para quem, "apesar de tudo", a decisão das urnas prevaleceu.

"Pela terceira vez compareço ao Congresso para agradecer ao povo o voto de confiança. Estamos aqui hoje graças à sede democrática que formamos nessa campanha", disse.

Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados

Críticas a Bolsonaro

"Quando fui eleito presidente pela 1ª vez, ao lado do José Alencar, iniciei o discurso de posse com a palavra mudança. A mudança que pretendíamos era simplesmente concretizar os preceitos constitucionais. O direito à vida digna, sem fome, com acesso ao emprego, saúde e educação", disse Lula.

O presidente citou realizações dos seus dois primeiros mandatos e afirmou que, diante do avanço da miséria e regressão da fome, é preciso repetir o discurso de 20 anos atrás. Sem citar nominalmente o agora ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Lula destacou que o governo adversário destruiu as políticas públicas do País e dilapidou as estatais e os bancos públicos, nos quais os recursos "foram raptados para saciar rentistas".

"O diagnóstico que recebemos do Gabinete de Transição é estarrecedor. Esvaziaram os recursos da Saúde. Desmontaram a Educação, a Cultura, Ciência e Tecnologia. Destruíram a proteção ao Meio Ambiente. Não deixaram recursos para a merenda escolar, a vacinação, a segurança pública", continuou Lula.

"Estamos revogando os criminosos decretos de ampliação do acesso a armas e munições, que tanta insegurança e tanto mal causaram às famílias brasileiras. O Brasil não quer mais armas; quer paz e segurança para seu povo".
Assim como fez após vencer as eleições, em 30 de outubro, Lula disse que enfrentou na campanha "a maior mobilização de recursos públicos e privados que já se viu". Também disse que enfrentou "a mais objeta campanha de mentiras e ódio tramada para manipular e constranger o eleitorado brasileiro".

 

 

 

Fonte: Estadão Conteúdo e Folhapress

Imprimir