Cidadeverde.com
Esporte

Lateral que custou R$ 12 milhões deixa o Atlético-MG de graça após 7 jogos

Imprimir

O lateral-esquerdo Lucas Hernández foi contratado pelo Atlético-MG em junho de 2019. Ex-Peñarol (Uruguai), ele custou R$ 12 milhões e deixou o time alvinegro neste domingo (1º), após o término do contrato.

Lucas Hernández foi a primeira contratação de Rui Costa, então diretor de futebol do Atlético-MG e atualmente no São Paulo.

O uruguaio chegou para disputar posição com Fábio Santos, mas não conseguiu. Foram somente sete jogos com a camisa alvinegra, entre 2019 e 2020.

Sem nenhum gol ou assistência e com mais derrotas do que vitórias, Lucas Hernández deixou de fazer parte do elenco alvinegro após a chegada do técnico Jorge Sampaolli, em março de 2020.

Cuiabá e Sport foram os dois clubes que receberam o lateral atleticano por empréstimo. Entre 2020 e 2021 o uruguaio jogou 17 vezes pela equipe de Mato Grosso. Já em 2022 foram 17 partidas pelo clube pernambucano.

O último jogo de Lucas Hernández pelo Atlético-MG foi em 9 de fevereiro de 2020, no triunfo por 1 a 0 sobre a URT, pela 5ª rodada do Mineiro.

ARREPENDIMENTO

"Com relação ao Lucas, confesso que fiquei decepcionado. A gente tem que acreditar que ele foi avaliado pelo diretor de futebol e vai performar. 

Ele foi dois anos titular no Peñarol, clube conhecido, que vinha chegando em competições sul-americanas, e a gente precisava ter outro lateral-esquerdo para fazer frente ao Fábio Santos. 

Infelizmente, o jogador não conseguiu se adaptar bem, mas isso não quer dizer que tenha sido um investimento jogado no lixo", disse Sérgio Sette Câmara, presidente do Atlético-MG entre 2018 e 2020.

OUTRO ADEUS

Além de Lucas Hernández, outro jogador que ficou sem contrato com o Atlético no fim de 2022 foi o volante Gustavo Blanco.

O jogador de 28 anos tem uma carreira marcada por lesões, tanto que disputou apenas 17 partidas nos últimos quatro anos, e não descarta a aposentadoria como jogador de futebol, como contou o UOL.

VICTOR MARTINS
BELO HORIZONTE, MG (UOL/FOLHAPRESS)

Imprimir