Cidadeverde.com
Política

Henrique Pires afirma que extinção da Funasa é prejudicial para o Piauí

Imprimir

 

O deputado estadual Henrique Pires (MDB) classificou como “absurdo” e "contrassenso" a decisão do presidente Lula (PT) em extinguir a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e transferir as atribuições do órgão para os ministérios das Cidades e da Saúde.

A equipe da saúde no governo de transição havia sugerido que as atividades da Funasa fossem divididas entre as pastas da Saúde e das Cidades para evitar duplicidade de ações. Para o parlamentar piauiense, porém, a proposta é um erro. 

“Isso acaba com o saneamento em pequenas comunidades, pequenos municípios e favorece apenas os grandes centros e as grandes empresas. Isso prejudica o Piauí, o Nordeste e quem é pobre”, avaliou o parlamentar piauiense. 

Ex-presidente do órgão por duas vezes, Henrique Pires lembrou que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) tentou algo semelhante, mas voltou atrás após ser convencido pelo então presidente do Senado, Davi Alcolumbre (União Brasil). 

O deputado estadual acredita que o Congresso Nacional deve “agir firmemente” contra a Medida Provisória (MP) assinada pelo presidente um dia após a posse mas que só deve entrar em vigor no próximo dia 24 de janeiro.

“É inadmissível quando um governo popular volta ao poder, como é intitulado o governo do presidente Lula, e você acabar com o único instrumento que efetivamente leva saneamento para quem é humilde e pequenas localidades”, disse o emedebista. 

A Funasa foi criada em abril de 1991. O órgão era alvo de partidos políticos por executar obras de saneamento em pequenos municípios. O temor agora é de essas siglas reajam negativamente à medida.

Breno Moreno
[email protected]

Imprimir