Cidadeverde.com
Política

AGU pede ao STF a prisão em flagrante de Anderson Torres; 400 são detidos

Imprimir

 Foto:Isaac Amorim/MJSP

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que decrete a prisão em flagrante do ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal Anderson Torres, em razão de suposta "omissão" na invasão de bolsonaristas à Corte, ao Congresso Nacional e ao Palácio do Planalto neste domingo. Torres é ex-ministro da Justiça do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e um dos seus principais aliados.

A AGU também requereu a prisão de "todos os envolvidos em atos criminosos decorrentes da invasão de prédios públicos federais em território nacional". Até a publicação desta matéria, 400 pessoas tinham sido presas, disse o governo do DF.

Torres havia sido nomeado para o cargo pelo governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), no dia 2. Ontem, após as invasões e depredações dos prédios públicos, o secretário - que está em Orlando, nos Estados Unidos, mesma cidade onde Bolsonaro passa uma temporada desde o final de 2022 - foi exonerado por Ibaneis, também um aliado do ex-presidente. Antes da demissão, em uma postagem no Twitter, Torres classificou as ações dos extremistas em Brasília como "cenas lamentáveis".

Ao Supremo, a AGU apontou que os atos de vandalismo registrados em Brasília "importam prejuízo manifesto ao erário e ao patrimônio público" e causam "embaraço e perturbação da ordem pública e do livre exercício dos Poderes da República, com a manifesta passividade e indício de colaboração ilegal de agentes públicos".

Omissão

Destacada para conter a desordem promovida por bolsonaristas em Brasília, a Polícia Militar do DF deixou que os extremistas se locomovessem em restrição, mesmo depois de já terem iniciado as invasões e o quebra-quebra.

Parte dos policiais abandonou as barreiras e foi comprar água de coco em frente à Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, como flagrou a reportagem do Estadão.

O deputado federal Guilherme Boulos (PSOL-SP) publicou vídeo que mostrava policiais filmando a invasão do Congresso e conversavam amistosamente com os extremistas. "Os golpistas, com ou sem farda, têm que ser responsabilizados e presos!", escreveu o parlamentar.

Mais tarde, depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ter decretado intervenção, Ibaneis, em vídeo, pediu desculpas ao petista e aos chefes da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). "Todos sabem da minha origem democrática", disse o aliado de Bolsonaro. Ele disse que a ação dos radicais é "inaceitável" e que irá "até o fim" para puni-los.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir