Cidadeverde.com
Últimas

Auxílio a órfãos da covid criado no Piauí pode ser estendido ao Brasil, diz ministro

Imprimir
  • 09.jpeg Gabriel Paulino/CCom e Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • 08.jpeg Gabriel Paulino/CCom e Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • 07.jpeg Gabriel Paulino/CCom e Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • 06.jpeg Gabriel Paulino/CCom e Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • 05.jpeg Gabriel Paulino/CCom e Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • 04.jpeg Gabriel Paulino/CCom e Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • 03.jpeg Gabriel Paulino/CCom e Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • 02.jpeg Gabriel Paulino/CCom e Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • 01.jpeg Gabriel Paulino/CCom e Renato Andrade/Cidadeverde.com

O ministro do Desenvolvimento Social, Wellington Dias, anunciou nesta sexta-feira (13) que pretende estender o programa Nordeste Acolhe, que tem como objetivo amparar crianças e adolescentes órfãos de vítimas da Covid-19. A iniciativa, que teve início do Piauí, foi adotada pelo Consórcio Nordeste em 2021 e estabelece um benefício de R$ 500 para cada órfão, além de ações de acolhimento através de programas sociais. 

O anúncio da possibilidade de ampliação do programa foi confirmado durante reunião no Palácio de Karnak, que contou com a presença do governador Rafael Fonteles (PT) e da secretaria de Assistência Social, Regina Sousa. 

Na área social, Wellington Dias ainda pontuou que alinhará uma reunião entre a equipe do ministério e a Secretaria de Assistência Social, comandada por Regina Sousa. A prioridade destacada pelo ministro é a atualização do Cadastro Único. Uma varredura será feita para retirar do sistema quem não atender aos critérios do programa. A ação começará a partir de fevereiro. 

“Na área social, vamos fazer uma reunião do ministério com a secretaria. No Cadastro Único, queremos um piloto que permitirá essa pactuação, o objetivo é trabalhar a atualização do cadastro em fevereiro, busca ativa, encontrar quem não tem o direito e fazer as providências para retirar”, acrescentou. 

Wellington Dias ainda citou pelo menos outros 30 programas sociais que visam garantir a segurança alimentar, restaurante popular, cozinha solidária, bancos de alimentos e segurança nutricional. 

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 

O governador Rafael Fonteles também falou. Ele citou uma agenda que teve com o vice-presidente Geraldo Alckmin e relembrou que o Piauí já não tem nenhum município dentre as 50 mais pobres do país. 

“Ele não está no ministério apenas pela força política, mas pela experiência que tem no Piauí no combate à extrema pobreza. Estava com o Alckmin e ele constatava que o Piauí não tem nenhum município dentre as 50 mais pobres e em 2022 tinha quase a metade. Isso devemos ao ministério Wellington Dias e a governadora Regina. Ele tem muita experiência e certamente isso pesou na decisão do presidente Lula”, disse. 

 

Flash Paula Sampaio 
[email protected]

Imprimir