Cidadeverde.com
Geral

Polícia investiga morte de cavalo por funcionários do Centro do Zoonoses

Imprimir

 

 

A Polícia Civil do Piauí abriu investigação para apurar a morte de um cavalo durante apreensão por funcionários do Centro de Controle de Zoonoses de Teresina. O animal estaria se alimentando quando foi  laçado com uma corda e acabou sendo estrangulado no bairro Buenos Aires, na zona Norte. Vídeos gravados por câmeras de celulares mostram o momento da captura e a revolta de moradores. No chão ficaram marcas de sangue. 

O delegado Willame Moraes, titular da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), explica que está sendo apurado o crime de maus-tratos e adianta que já oficiou ao Centro de Zoonoses. 

"Foi uma ação mal sucedida que veio a matar esse animal. Já ouvimos o carroceiro, entramos em contato com a Gerência de Zoonoses para que nos apresente esses funcionários para gente ter uma visão de tudo o que aconteceu e possa chegar de forma bem clara ao Judiciário", explica o delegado. 

Willame Moraes diz que há indícios de que o cavalo morreu por falta de instrumentos adequados para o manejo. 

"Isso está em áudio, no vídeo encaminhado à Polícia Civil. Eles não teriam instrumentos necessários para fazer a apreensão. O fato é que o animal foi morto! qual seria a responsabilidade desses agentes é o que será apurado. Se você não tem como exercer uma atividade, você não exerce. Você reivindica instrumentos ou não faz. Isso também será analisado no bojo do inquérito, mas há o procedimento administrativo que apura isso", destaca  o delegado.

O corpo do cavalo será periciado. A conduta de maus-tratos é punido com pena de seis meses de detenção, mas há a qualificadora por ter resultado em morte. 

"Se for comprovado o dolo e os elementos de provas comprovarem os maus-tratos, eles vão responder por isso. Fora isso existem dois procedimentos paralelos que são o processo administrativo e a questão civil, afinal de contas um pai de família deixou de ter à sua disposição  um meio de sustentar sua família, que aí cabe indenização", esclarece  delegado Willame Moraes.

Por meio de nota, o Centro de Controle de Zoonoses de Teresina informou que está adotando as providências para identificar o que de fato ocorreu, já ouviu os servidores envolvidos no caso e vai ouvir testemunhas. 

Perdi um amigo e  minha fonte de renda

O cavalo se chamava Sheldon tinha cerca de sete anos e era do carroceiro Júlio César que se emociona ao lembrar do animal. 

"O cavalo era quem me ajudava a sustentar minha família e me ajudava a ter renda. Agora fiquei desemparado. Dependia dele pra trabalhar, cuidar dos meus filhos, pagar minhas contas, a alimentar meus filhos [...]  meus filhos todos gostavam dele, e eu também. Minha filha mais nova chorou, ela era muito apegada a ele. Vou ficar com saudades! gostava muito dele. Ele era parte da minha família, era como se fosse irmãos do meus filhos, a gente conversava com ele. Me ajudava a trabalhar e ajudava a sustentar meu filhos. Estou sem o amigo e sem ferramenta de trabalho", lembra o carroceiro que diz que Sheldon atendia pelo nome e relinchava ao passar por ele.

Foto: Paula Sampaio/ Cidadeverde.com

 

Ele conta que tinha ido buscar os filhos na escola quando o cavalo se soltou e saiu de casa. 

"Quando voltei já foi a vizinhança me dizendo que o cavalo havia morrido, que o pessoal da correição da Zoonoses laçou o cavalo com uma corda, mas o cavalo se recusou a entrar no caminhão. Três a quatro homens puxaram tanto o cavalo até estrangularem. A carroça era minha forma de trabalho e era a minha única fonte de renda para pagar minhas contas e cuidar dos meus filhos", lamenta Júlio César que tem seis filhos com idades entre 7 e 15 anos.

O carroceiro acredita que houve manejo inadequado e falta de instrumentos apropriados para a apreensão do animal.  Ele diz que, até o momento, não foi procurado pelo poder municipal.

"Fui ao local onde ele foi morto e não achei mais. Até agora não foram atrás de saber quem era o dono do cavalo. Eu trabalho de carroça e agora não tenho mais cavalo. Quero saber se vão me indenizar ou dar outro cavalo?", questiona o carroceiro que registrou boletim de ocorrência por maus-tratos. 

Vereadores defende afastamento de servidores

A vereadora Thanandra Sarapatinhas, ligada à causa animal, avalia a situação como maus-tratos e defende o afastamento dos servidores do Centro de Zoonoses envolvidos no caso. 

Foto: divulgação

“A investigação ainda tem ocorrer, mas, quando for comprovado que realmente houve maus-tratos, eles terão que ser demitidos, não tenham dúvidas! Soube que o cavalo era idoso, cego e morreu lentamente. Toda situação é um absurdo. É inadmissível compactuar com uma atitude assim. As devidas providências terão que ser tomadas”, enfatizou Sarapatinhas.

 

Graciane Araújo
[email protected]

Imprimir