Cidadeverde.com
Política

Lula dá protagonismo ao Nordeste e muda correlação de forças no governo

Imprimir

Foto: Ricardo Stuckert

O terceiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente iniciou com nova correlação de forças dentro do governo e do PT, com maior protagonismo de políticos de estados do Nordeste.

O novo cenário representa o coroamento de uma geração de governadores eleita em 2014, reeleita em 2018 e que em 2022 ajudou a dar a Lula uma frente de 12,5 milhões de votos no Nordeste, sendo determinante para sua vitória sobre Jair Bolsonaro (PL).

O presidente reconheceu a força eleitoral dos ex-governadores e levou cinco deles para a Esplanada dos Ministérios: Rui Costa (PT), da Bahia, Camilo Santana (PT), do Ceará, Flávio Dino (PSB), do Maranhão, Wellington Dias (PT), do Piauí, e Renan Filho (MDB), de Alagoas.

Ao menos dois deles ganharam protagonismo nos primeiros dias de governo, sobretudo após os ataques de extremistas que resultaram na invasão e depredação das sedes do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal.

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino assumiu o cargo com missões espinhosas e se tornou a principal face pública do enfrentamento aos bolsonaristas que participaram dos ataques de 8 de janeiro.

Por outro lado, também se tornou vidraça de opositores, que enxergam inação da pasta frente aos protestos que antecederam a invasão aos prédios da praça dos Três Poderes.

Ao longo do governo, Dino tratará de outros temas sensíveis como a relação com o Judiciário e o regramento para acesso a armas por civis.
Outro nome que despontou na linha de frente nos primeiros dias é Rui Costa, ministro da Casa Civil e responsável pela gestão de projetos prioritários do governo. Ele tem participado do enfrentamento aos atos golpistas e buscou interlocução com militares, área sensível ao novo governo.

Outros três ex-governadores de estados do Nordeste tomaram posse em pastas estratégicas e de orçamento robusto. Camilo Santana, que vai gerir um orçamento de R$ 147 bilhões na Educação, tem conduzido agendas positivas que incluem o reajuste do piso salarial de professores e a promessa de um novo pacto pela alfabetização.

Wellington Dias, que governou o Piauí por quatro mandatos e é um dos interlocutores mais próximos de Lula, está no comando do Desenvolvimento Social, pasta responsável pelo Bolsa Família, programa que é uma das marcas das gestões do PT e que será relançado. Já o alagoano Renan Filho comanda a pasta dos Transportes com a chancela do MDB.

As cinco indicações fortaleceram o grupo de ex-governadores, que têm boa interlocução entre si e atuaram juntos no Consórcio Nordeste, servindo como contraponto a Bolsonaro.

Nesta sexta-feira (20), nove governadores do Nordeste se reuniram em João Pessoa e discutiram as prioridades de cada estado e da região. Uma carta será elaborada até a próxima quinta (26) para ser encaminhada a Lula com demandas.
Antes mesmo da eleição, Lula já dava indícios de que valorizaria esta nova geração de aliados. Em junho do ano passado, afirmou que "a melhor safra de bons governadores do país aconteceu no Nordeste". Também se solidarizou com eleitores da região alvo de ataques de apoiadores de Bolsonaro.

O movimento de Lula foi na direção contrária ao de seus dois primeiros mandatos, entre 2003 e 2010, quando nomes de São Paulo, ligados ao núcleo duro do partido, assumiram os postos-chave.

Também é um contraponto a Bolsonaro. O ex-presidente iniciou seu governo em 2019 sem nenhum ministro nordestino, mas abriu espaço ao longo da gestão, contemplando nomes da região como Gilson Machado, Fábio Faria, Rogério Marinho, João Roma e Marcelo Queiroga.

Ao longo de seu mandato, o ex-presidente teve relação tensa com os governadores do Nordeste, aos quais criticou pela adoção de medidas de contenção da pandemia da Covid-19 e sobre quem fez declarações em tom preconceituoso.

Os ex-governadores têm em comum o fato de serem pragmáticos e terem uma visão política mais ao centro, em contraste com o perfil mais à esquerda da bancada do PT no Congresso.

Dino e Camilo, por exemplo, chegaram a ter partidos como PSDB e DEM como aliados nos estados. Rui Costa se destacou por firmar parcerias público-privadas e por conduzir uma reforma da Previdência em âmbito estadual que gerou críticas dos servidores.

Os ex-governadores também são criticados pela atuação na área ambiental. Conforme apontado pela Folha, Rui Costa, Flávio Dino e Wellington Dias deixaram as gestões de seus estados com um passivo de recordes de desmatamento do cerrado em um período de oito a dez anos.

Na avaliação do cientista político Cláudio André de Souza, professor da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, a estratégia de Lula em convocar ex-governadores reflete a busca por lideranças políticas efetivas, que tenham trânsito no Congresso.

A escolha serve como um aceno a uma ala do PT que se mostrou vitoriosa: "É uma região que decidiu as eleições. Por isso, há uma expectativa de que o Nordeste comece a ter maior peso na definição das táticas eleitorais do partido", afirma.

Ele ainda destaca que, com 19 ministros, a região Sudeste ainda tem um peso relevante, refletindo a necessidade de o PT disputar politicamente uma região que concentra 40% do eleitorado e onde perdeu espaço nas últimas eleições.

Além dos ex-governadores, outros sete nomes do Nordeste foram alçados a ministérios: José Múcio (Defesa), Márcio Macêdo (Secretaria-Geral), Margareth Menezes (Cultura), Luciana Santos (Ciência e Tecnologia), André de Paula (Pesca), Juscelino Filho (Comunicações) e Jorge Messias (AGU).
Nascido no Rio de Janeiro, mas com carreira política no Rio Grande do Norte, o senador petista Jean Paul Prates foi indicado para assumir a presidência da Petrobras. Dos nove estados do Nordeste, a Paraíba é o único sem nomes contemplados com cargos-chave do novo governo.

O núcleo de São Paulo do PT segue prestigiado com quatro ministros: Fernando Haddad (Fazenda), Alexandre Padilha (Relações Institucionais), Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário) e Luiz Marinho (Trabalho), além de Aloizio Mercadante no comando do estratégico BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

O espaço ocupado, contudo, representa um revés comparado ao primeiro governo Lula iniciado em 2002, quando nomes como Antônio Palocci, José Dirceu e Luiz Gushiken, todos de São Paulo, formaram o núcleo duro do governo.

A força do diretório paulista nas decisões do partido historicamente causa discórdia entre petistas. A despeito de ser o berço político de Lula, o PT paulista nunca venceu uma eleição para o governo do estado, mesmo tendo concorrido em todas desde 1982.

Nas últimas eleições, o estado também viu os candidatos do PT sofrerem derrotas nas eleições presidenciais. Em 2022, Bolsonaro teve 55,2% dos votos de São Paulo contra 44,8% de Lula.

Hoje, com um cenário de poder dividido entre os grupos de São Paulo e de estados do Nordeste, as insatisfações ganharam corpo em outros diretórios, sobretudo nas regiões Norte, Sul e em Minas Gerais.

O Rio Grande do Sul, onde o PT já elegeu dois governadores e ainda mantém uma relativa capilaridade, indicou o deputado federal Paulo Pimenta para a Secretaria de Comunicação Social.

No caso de estados como Minas Gerais e Pará, os petistas viram aliados locais de outros partidos serem prestigiados com ministérios, mas ficaram sem espaço no primeiro escalão do governo.

Presidente do PT no Pará, o senador eleito Beto Faro diz que não há insatisfação: "Não tem essa crise, o governo tem que ser amplo. O que queremos são políticas públicas para a nossa região".

 

Fonte: João Pedro Pitombo, Folhapress

Tags: Lula
Imprimir