Cidadeverde.com

Bauermann faz nos acréscimos e Santos larga na Sul-Americana com vitória sobre o Blooming

Imprimir

O Santos passou quatro semanas treinando  fez um jogo na Copa do Brasil com o Iguatu. Depois do vexame da queda na primeira fase do Paulistão, a promessa era de volta por cima e resgate do bom futebol. Bastou um jogo para se notar que não houve evolução no tempo livre. 

No sofrimento e com apresentação abaixo do esperado, o time atuou por quase 40 minutos com um a mais diante do frágil Blooming e só ganhou com gol de cabeça de Eduardo Bauermann aos 52 do segundo tempo na Bolívia.

O futebol do Santos foi bastante pobre, exceção de 15 minutos de pressão na etapa final logo após a expulsão do goleiro Uraezaña. Mas a pressão final surtiu efeito após um escanteio e o gol do triunfo. 

O time larga mais uma vez sem derrota fora de casa na busca pelo inédito título. Pelo apresentado em Santa Cruz de la Sierra, contudo, o torcedor não deve ter muita esperança. Na verdade, a preocupação aumentará com terceira fase da Copa do Brasil e o duro Brasileirão pela frente.

Depois de decepcionante campanha em 2022, na qual sofreu para avançar às oitavas e caiu logo no primeiro mata-mata, com 4 a 2 nos pênaltis diante do Alianza Lima, em plena Vila Belmiro, o Santos quer se redimir na atual edição após já fracassar no Paulistão. 

E larga igual ao Newell's Old Boys, da Argentina, no Grupo E, que também fez 1 a 0 fora de casa, em visita ao Audax Italiano, no Chile.

Odair Hellmann teve problemas de escalação para a estreia, com muitas peças importantes machucadas, casos de Maicon, Joaquim, Soteldo e Mendoza, além de Rodrigo Fernández, suspenso.

Mesmo remendado, o time projetava superação diante do penúltimo colocado do Campeonato Boliviano após quase um mês somente de treinos.

Com somente oito minutos, após uma pressão santista na área dos bolivianos, um possível toque de mão foi analisado pelo VAR, que não registrou pênalti.

Mesmo diante de uma torcida inflamada e barulhenta, o Santos parecia tranquilo em campo. Bem postado na defesa e arriscando chegadas em velocidade.

Bancado pela direção após fracasso no Estadual, Odair Hellmann parecia bailar na beirada do campo, gesticulando como quem queria ver o time atacar. Ele cobrava mais ousadia aos jogadores.

 A primeira finalização saiu somente aos 22 minutos, em cabeçada toda errada de Messias para o alto. Marcos Leonardo, de fora da área, ainda mandou fraco nas mãos do goleiro.

Fraco ofensivamente, o Blooming pouco exigiu de João Paulo na primeira etapa. Um chute de longe do brasileiro Rafinha foi bem encaixado pelo goleiro. Faltavam chances de gol e sobravam entradas duras. 

Durán acertou Lucas Lima duas vezes e Felipe Jonatan e Marcos Leonardo também foram ao chão após divididas fortes. O goleador revidou com uma solada e os bolivianos ficaram revoltados. O árbitro sequer deu cartão amarelo.

A fraca apresentação dos 45 minutos iniciais seguiram no começo da etapa final a ponto de Odair Hellmann mandar logo os reservas ao aquecimento.

Mas a história do jogo tinha tudo para mudar com uma roubada de bola e lançamento longo para Marcos Leonardo. O goleiro saiu atabalhoado da área e fez a falta, recebendo amarelo.

Após longa revisão no VAR, acabou expulso. A paralisação durou 10 minutos.

Uraezaña saiu desolado de campo com o lance, com as mãos no rosto. Gutierrez entrou na vaga do veterano atacante Arce, que passou pelo Corinthians, para tentar segurar o ataque santista, com um a mais em campo e mais de 35 minutos por jogar. 

Defendeu a bomba de Felipe Jonatan, a batida de Ângelo e a cabeçada à queima roupa de Marcos Leonardo em apenas 15 minutos.

Mesmo com vantagem numérica em campo e todo na frente, o Santos quase saiu em desvantagem com Arismendi saindo cara a cara e parando em defesa difícil de João Paulo, em raro lance dos mandantes. 

Fazer o tempo passar era a missão dos bolivianos. Com substituições e atendimentos, o time da casa ganhou preciosos minutos, enquanto Hellmann esbravejava.

O árbitro deu 12 minutos de acréscimos, para reclamação da torcida local, que achou muito. E para revolta dos santistas, querendo bem mais. Em sua última tentativa, o treinador brasileiro colocou o boliviano Miguelito em campo. 

Em casa, o garoto tinha sete minutos para tentar mudar a história. Quem garantiu o triunfo do time brasileiro, entretanto, foi o zagueiro Eduardo Bauermann, de cabeça.

GOIÁS APENAS EMPATA

De olho na final do Campeonato Goiano, na qual terá de reverter desvantagem de 2 a 0 diante do Atlético-GO, no fim de semana, o Goiás utilizou somente três titulares na estreia da Copa Sul-Americana e não foi além de um empate sem gols com o Santa Fe, da Colômbia, no Estádio da Serrinha, em Goiânia.

Depois de um primeiro tempo abaixo do esperado e um susto em finalização de Rodallega, que já defendeu o Bahia, o Goiás até melhorou na etapa final, pressionou bastante, mas não conseguiu fazer um gol e largou com apenas um ponto no Grupo G, que ainda tem Gimnasia y Esgrima, da Argentina, e Universitario, do Peru.

Fonte: Estadão Conteúdo

Você pode receber direto no seu WhatsApp as principais notícias do CidadeVerde.com
Siga nas redes sociais