Cidadeverde.com
Geral

Ônibus da linha Fortaleza a Teresina mata 2 e deixa 36 feridos no Ceará

Imprimir

Última atualização - 21h09

Um acidente nesta sexta-feira (18) deixou dois mortos na BR-222, no interior do Ceará. O ônibus da empresa Guanabara fazia linha de Fortaleza para Teresina quando virou no quilômetro 190 da rodovia, na localidade Patos, 40 quilômetros distante do município de Sobral. Segundo a empresa, 38 passageiros estavam no veículo.

Fotos: Wellington Macedo/Verdesmares.com.br



Segundo informações da imprensa cearense, o ônibus de placa HYL-3460 deixou Fortaleza às 8h. O veículo virou na curva de Aracatiaçu, e foi achado com dois pneus traseiros estourados. O Cidadeverde.com obteve informações com a Polícia Rodoviária Federal de Sobral que o motorista José Olivardo Morais, internado com ferimentos leves, relatou ter sido esse o motivo para a perca do controle do ônibus.

A Santa Casa de Misericórdia de Sobral começou a receber feridos por volta de 15h30min. Segundo a PRF, 36 ficaram feridas, nove delas em estado grave e que precisaram de cirurgia. Outros 16 teriam sido liberados e 12 ficado em observação.

Milena Stefany Pereira de Sousa, de cinco anos, chegou ao hospital com vida, mas não resistiu aos ferimentos. Luís Henrique Silva, de 28 anos, morreu no local. Ainda não é possível precisar se o destino final dos passageiros era o Piauí.

Fotos: Wellington Macedo/Verdesmares.com.br


Em nota, a Guanabara confirmou duas mortes e informou que foi prestado atendimento imediato aos 38 passageiros a bordo, e ainda foi enviada força tarefa especial ao local para a assistência necessária às vítimas. Foram disponibilizados dois telefones para contados de familiares: 0800-7281992 e 4005-1992.

Fotos: Wellington Macedo/Verdesmares.com.br


O inspetor da PRF em Sobral, Harley Gomes, confirmou ao Cidadeverde.com que o acidente ocorreu por volta de 12h30, e o ônibus bloqueou a rodovia por quatro horas. Ele ressaltou que passageiros não usavam o cinto de segurança, que é obrigatório também para viagens de ônibus. "Se as pessoas tivessem usado o cinto, poderiam ter sofrito só lesões leves ou cortes superficiais", relatou. 

Fábio Lima e Yala Sena
[email protected]

Imprimir