Cidadeverde.com
Geral

Pressão do INSS causa mau atendimento de peritos à população

Imprimir

Os médicos peritos do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), em greve nacional desde o dia 22 de junho, afirmam que a intransigência do órgão em iniciar o debate das reivindicações dificulta não só a situação dos profissionais como também o atendimento ao público. Eles calculam que neste período de paralisação o número de perícias caiu cerca de 50%, reduzido aos atendimentos preferenciais de grávidas, idosos, feridos graves e pós-operatórios.



 
"Há muito tempo tentamos abrir o canal de negociação, mas o INSS está irredutível. Não estamos sequer pedindo aumento, queremos apenas melhores condições de trabalho para que possamos atender melhor a população", descreve a médica Silvana Sales, a delegada piauiense da Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social (ANMP). Ela descreve que o Instituto está obrigando os peritos a realizarem 18 atendimentos diários, de 20 minutos cada, sem ter sequer salas e materiais adequados.
 

"Temos vinte minutos para conversar com o paciente, analisar o histórico, olhar os exames, examiná-lo, digitar os dados e ainda dar o resultado. Não é suficiente. Além disso não temos luvas, macas, estetoscópio ou mesmo pias nas salas. Como se pode fazer uma boa perícia, trabalhando sem parar durante seis horas? O resultado é esse: a população é mal atendida", pontua.

 
 
O Supremo Tribunal Federal (STJ), sensibilizado com o caso, declarou no dia 25 de junho que a greve eral legal. Nesta quarta, 14 de julho, determinou que não poderia haver corte de salário dos médicos grevistas. "Tudo o que queremos é que o INSS nos chame para conversar, apesar de várias solicitações sem a menor resposta. Que pare de tratar o segurado, que faz sua contribuição todo o mês, apenas como um número", finaliza a doutora Silvana Sales.

 
Números
No Piauí existem 54 médicos peritos trabalhando nas agências do INSS, deste total, 90% estão realizando apenas as perícias de casos prioritários. A greve tem apoio do Sindicato dos Médicos do Piauí (Simepi).


[email protected]

Imprimir