Cidadeverde.com

Desvio ilegal é encontrado para passagem de peixes na Lagoa do Portinho

Um desvio ilegal de água foi aberto na Lagoa do Portinho, no litoral piauiense, pelos moradores da região. A secretária estadual do Meio Ambiente, Sádia Castro, esclarece que essa "abertura artificial" aconteceu para substituir um processo que antes ocorria naturalmente. 

"A Lagoa do Portinho em certa época do ano enche, arrebenta, e faz um tráfego, um acesso de água, de peixes, da Lagoa do Portinho para o Rio Portinho e para o mar; assim ocorre um povoamento de peixes. Está com mais ou menos uns três anos que esse processo natural não acontece, ou seja, que a Lagoa do Portinho não rompe", disse.

Diante do não acontecimento natural desse processo, a secretária afirmou que as comunidades de pescadores entorno da Lagoa do Portinho abriram  "uma vala, um canal, para que a lagoa via portinho ache o acesso com o mar para que os peixes trafeguem: do mar via Rio Portinho para a Lagoa do Portinho". 

"A rigor isso não seria um crime ambiental. O problema ou crime ambiental - podemos dizer assim - é que não foi pedido autorização ao órgão. Teria que ser pedido uma autorização a Semar (Secretaria Estadual do Meio Ambiente) para que pudesse fazer um estudo e autorizar essa ação, a abertura desse canal. A Semar não foi comunicada e não sabia", alerta a secretária. 

A Semar por meio do escritório de Parnaíba tomará as providências necessárias para resolver a questão. Equipes da Semar e das secretarias Municipais do Meio Ambiente e da Infraestrutura  de Parnaíba estiveram no local nesta quinta (07). Eles fizeram uma análise prévia da situação e do tamanho da vala.

"Eles chegaram a levar um trator, mas a vala está em cima das dunas e concluíram que não dava para fazer o entupimento do canal com o trator. Então, vão levar uns homens para fazer a interrupção desse canal manualmente. Sabemos que foi a comunidade, mas não temos nenhum nome de infrator. Estamos orientando as comunidades para que qualquer intervenção entorno da Lagoa do Portinho comuniquem e peçam a autorização, que a gente faz os estudos e orienta como poderá ser feito exatamente porque o local é de preservação ambiental". 

 


Fotos enviadas ao Jornal do Piauí 

Carlienne Carpaso
[email protected]