Cidadeverde.com

Família enterra corpo por engano e homem aparece em casa dias depois

Após supostamente enterrar o próprio filho, uma mãe recebeu uma surpresa inesperada com o retorno do jovem à sua casa vivo durante a semana seguinte. O fato aconteceu em Parnaíba, município  318 km de Teresina e chamou a atenção da população pelo engano da família que sepultou o corpo por engano.

Foto: Blog do Pessoa

Cemitério onde o corpo foi enterrado

"O corpo apareceu no IML na última sexta-feira (12) e na segunda-feira (15) uma família apareceu dizendo que o corpo era de um irmão deles desaparecido. A mãe e mais três pessoas viram o corpo e identificaram, em seguida ele foi liberado e sepultado pela família", explicou o diretor do Instituto Médico de Legal de Parnaíba, Charles Peter.

Segundo o diretor, por conta do avançado estado de decomposição do corpo, o reconhecimento do jovem foi prejudicado. O homem foi encontrado por pescadores na localidade Chafariz, bairro São Judas Tadeu. O comandante do Corpo de Bombeiros da cidade, major Rivelino de Moura informou que pelo estado decomposição da vítima, a morte teria ocorrido há cerca de dois dias da data em que ele foi achado.

Sob comoção pelo desaparecimento há pelo menos uma semana a família se apressou em realizar o enterro. Em entrevista a um portal local a mulher, que não foi identificada, explicou o engano e contou como foi o reencontro com o filho supostamente morto.

“Ele me disse que iria viajar, mas uma mulher com quem ele vive, veio em minha casa a procura dele, disse que tinha voltado mas que não sabia seu paradeiro. Ficamos preocupados e após ouvirmos no rádio que existia o corpo de um indigente no IML, nós resolvemos verificar e por incrível que pareça ele tinha a mesma tatuagem que meu filho tem e usava calça como ele também costuma usar. No IML só mostraram dos braços para baixo porque disseram que o rosto estava irreconhecível”, explicou a mulher.

O corpo, foi enterrado em uma sepultura familiar e segundo o diretor, ficará a cargo da Justiça uma decisão pela exumação do corpo sem identificação. "Agora fica a critério da Justiça. Foi um engano da família e o juiz autprizando nós fazemos a exumação em parceria com a prefeitura", concluiu Charles.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com