Cidadeverde.com

Preso no DF suspeito de participar de esquartejamento de corpos no Piauí

Foto: PMDF/Divulgação

Suspeito de participar de dois brutais assassinatos em Parnaíba foi preso no Distrito Federal, na noite de segunda-feira (01). O preso foi identificado como Giovani Allison, e é natural de Teresina (PI). Os corpos foram esquartejados e decapitados. O caso chocou o Piauí devido a crueldade. As vítimas foram torturadas antes da execução. 

De acordo com o delegado Gutemberg Santos Morais, do 15ºDP – Ceilândia Centro (DF), o suspeito foi preso inicialmente por receptação e ao chegar à delegacia foi identificado o mandado de prisão preventiva contra ele.

“Ele foi autuado por recepção porque conduzia uma motocicleta roubada. Ao consultar o sistema, foi identificado esse mandado em aberto de Parnaíba (PI), pesquisamos e soubemos desse duplo homicídio, que teve uma grande repercussão. Entramos em contato com os policiais do Piauí e tomamos conhecimento do caso. Disseram que ele era o último suspeito que faltava a ser preso”, disse o delegado ao Cidadeverde.com. 

 
Gutemberg também informou que o preso deverá ser recambiado para o Piauí. 

Sobre a prisão, o delegado destacou que os policiais militares visualizaram a motocicleta, que já tinha denúncia do roubo do veículo. 

Homicídios brutais 

Em março de 2018, dois corpos foram encontrados enterrados no quintal de uma residência no bairro Piauí, em Parnaíba, município a 318 km de Teresina.

Os corpos foram esquartejados, estavam amarrados e apresentavam sinais de torturados, antes da execução. As cabeças e partes do corpo estavam enterradas em buracos diferentes do terreno.

As vítimas foram identificadas como o professor de inglês Paulo Henrique Lima Caldas,  natural de São Luís-MA, 47 anos e  David Soares Maciel, natural de Parnaíba-PI, 29 anos.

Foram presos em participar desse crime: onas de Brito Martins, 20 anos, Franciely Oliveira Pereira, 23 anos, Francisco de Assis Júnior, 28 anos,  um menor de idade, Luís Evangelista Guedelha, vulgo Lulu, 26 anos e Francisco de Assis Guedelha, 32 anos, sendo estes dois últimos irmãos. 

Na época, o então coordenador da Delegacia de Homicídios, Tráfico de Drogas e Latrocínio de Parnaíba, delegado Eduardo Aquino, informou ao Cidadeverde.com que a motivação do crime foi uma suposta dívida por drogas. Nos autos, há relatos de que a dívida seria de R$ 20. No entanto, o delegado esclareceu que os suspeitos falaram em outros valores.

 


Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com