Cidadeverde.com

PM, vereador, e servidores públicos são presos pela Polícia Federal

A Operação KIZHI, deflagrada nesta quarta-feira (3) pela Polícia Federal em Parnaíba, resultou no cumprimento 17 mandados de prisões. Foram presos servidores da Secretaria Estadual de Fazenda, Ibama, fiscais terceirizados,  empresários, policial militar e vereador. 

A operação desarticulou organização criminosa voltada para o comércio ilegal de madeira com atuação nos Estados da Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Piauí e Rio Grande do Norte.

No Piauí os mandados de prisões foram cumpridos em Teresina, Luzilândia, Morro do Chapéu e Parnaíba. De acordo com a delegada da Polícia Federal, Milena Soares, os presos atuavam no posto de fiscalização da Sefaz de Luzilândia e mantinham fraudes para que o comércio ilegal de madeira acontecesse. 

Foram presos dois servidores da Sefaz, chefe e substituto do escritório do Ibama de Parnaíba, um policial militar, quatro terceirizados, vereador de Buriti dos Lopes e cinco empresários do setor madeireiro e construção civil.  

O transporte e comercialização ilícitos era lastreado em Documentos de Origem Florestal inidôneos, e em notas fiscais produzidas com informações falsas sobre quantidade, espécie e valor da mercadoria.

“Os fiscais e servidores da Sefaz cobravam propina, que variava de acordo com o caminhão e a mercadoria. O valor variava de R$500 a R$800 por caminhão, mas se a carga fosse maior, o valor também crescia”, conta a delegada Milena. Segundo a PF, o policial militar preso também atuava no posto com uma espécie de “facilitador”.  A maioria das cargas vinha do Pará.

“O PM informava aos madeireiros o melhor horário para o caminhão passar, informava quando o fiscal não estava e dava informações privilegiadas. Um dos fiscais é filho do vereador preso, que também era olheiro e informava os madeireiros. Era uma rede que funcionava há pelo menos dois anos”, disse a delegada.

Os nomes dos presos não foram divulgados. 

"O nível de corrupção é gritante. As coisas deixam de acontecer rigorosamente porque o servidor público que estaria ali para atuar é conivente", lamentaa delegada. 

Sobre a Operação KIZHI, a Secretaria de Fazenda do Piauí informa que foram identificados três funcionários terceirizados, todos demitidos. Em relação a servidores fazendários envolvidos, a Sefaz já está tomando as providências quanto à abertura de processo administrativo.


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com