Cidadeverde.com

Pâncreas artificial

A vida de quem tem Diabetes pode melhorar a partir da novidade aprovada no final de 2019 pelo FDA (US Food and Drug Administration, a agência norteamericana que autoriza o uso de novos alimentos e medicamentos para a população do EUA). A ideia foi juntar dois recursos que já existiam em um só gerando um pâncreas artificial. Antes vou falar um pouco sobre o Diabetes e o Pâncreas.

No sistema digestivo temos uma glândula chamada Pâncreas que faz dois papeis muito importantes. Ela produz uma secreção chamada Suco Pancreático que atua em processos digestivos no intestino delgado. Esta secreção contém enzimas importantes como lipases (que quebram gorduras), proteases como a tripsina e a quimiotripsina (que quebram proteínas) e a amilase pancreática que ajuda na degradação do amido. Esta é sua função no Sistema Digestivo. Além disso, o pâncreas produz hormônios que atuam no controle da quantidade de açúcar circulando na corrente sanguínea: a insulina auxilia na retirada do excedente de açúcares repassando-o para o fígado e para células musculares e do tecido adiposo. Já o glucagon tem função antagônica: ele atua na quebra do glicogênio (que é um açúcar de reserva) que se transforma em glicose disponível na corrente sanguínea. Esta é função do Pâncreas no Sistema Endócrino.

O Diabetes se caracteriza exatamente pelo excedente de glicose no sangue, ou pelo mau funcionamento do pâncreas na produção de insulina (o que caracteriza a Diabetes tipo 1) ou por desenvolver resistência à insulina (o que caracteriza a Diabetes tipo 2). Mas como eu dizia, a vida do diabético tipo 1 pode melhorar bastante, pois o FDA autorizou a produção de um pâncreas artificial.

Um conjunto de sensores é capaz de perceber quando a quantidade de glicose aumenta, a partir de um contato subcutâneo com a corrente sanguínea. Este conjunto se liga a uma pequena bomba de insulina que, induzida por um software de inteligência artificial, libera a quantidade de insulina necessária para suprir a deficiência de insulina no paciente. Uma combinação perfeita!

Conversei com o Dr. Wallace Miranda, que tem doutorado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) e estudou exatamente particularidades da Diabetes tipo 2, se o Pâncreas Artificial poderia ser usado por todos os tipos de diabéticos. Ele afirmou que os pacientes com Diabetes Tipo 1 são os mais indicados para uso do novo recurso, mas pacientes com Diabetes tipo 2 com quadro de falência pancreática também podem se beneficiar da novidade. Acompanhe uma explicação detalhada sobre o pâncreas artificial do Dr. Wallace Miranda.

A ciência tem contribuído dia após dia com a melhoria das condições de vida dos pacientes. Vamos aguardar mais novidades.

Boa semana para todos (as).