Cidadeverde.com

Razão Áurea

Você já ouviu falar em Razão Áurea? Razão é como chamamos o resultado de uma divisão. 10 dividido por 2 é igual a 5. Ou seja, 5 é a razão de 10/2. Áurea vem da palavra Aurus, que quer dizer ouro em latim. Então o que chamamos de Razão Áurea?

Numa pesquisa rápida na internet descobrimos que razão áurea ou proporção áurea é uma constante real algébrica irracional, representada pela divisão de uma reta em dois segmentos desiguais (a e b) sendo que quando a soma destes dois segmentos é dividida pelo valor da parte maior do segmento chega-se a um resultado aproximado de 1,61803398875. Este valor é chamado de número de ouro, representado pela letra grega phi (?), inspirado no arquiteto grego Phidias que criou o conceito. Phidias foi um dos projetistas do Parthenon, obra século V a.C. da Grécia Antiga.

Afinal, o que tem de tão especial nesta observação meramente matemática? Leonardo Fibonacci, nascido por volta de 1170 na cidade italiana de Pisa, considerado um dos maiores matemáticos da idade média e um dos responsáveis pela introdução dos números hindu-arábicos na Europa, foi uma das pessoas que estudou a fundo a razão áurea.

Fibonacci descobriu o que ficou conhecido como sequência de Fibonacci. Trata-se de uma sequência numérica infinita iniciada por 0 e 1 e sequenciada pela soma dos dois números antecessores. Assim a sequência inicia assim: 0, 1, 1 (0+1), 2 (1+1), 3 (1+2), 5 (2+3), 8 (3+5), 13 (5+8), 21 (8+13)... e assim por diante. O físico Johannes Kepler descobriu que a taxa de crescimento dos números da sequência de Fibonacci tende a ser representada pela razão áurea.

O que é mais interessante nisso tudo é que na natureza várias coisas são definidas por esta razão. A espiral da concha de um caramujo, por exemplo. Ou a disposição das flores em um capítulo de um girassol, obedeceriam a esta razão áurea, por um simples capricho da natureza!

O vídeo a seguir mostra um pouco deste entendimento.

 

 

NATURE BY NUMBERS from Cristóbal Vila on Vimeo.

 

Pelo sim, pelo não, quero crer que certo mesmo estava William Shakespeare que em Hamlet fala: "há mais mistérios entre o céu e a Terra do que a vã filosofia dos homens pode imaginar"...

Boa semana para todos (as)... Até o próximo post...