Cidadeverde.com

Como a floresta fóssil se formou?

  • DSC_2042.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • DSC_2040.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • DSC_2035.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • DSC_2058.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • DSC_2054.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • DSC_2047.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • DSC_0428.JPG Francisco Soares Santos Filho

Desde domingo passado tenho recebido algumas perguntas sobre nossa Floresta Fóssil. Algumas pessoas perguntaram, por curiosidade, informações sobre sua formação, origem etc. Vamos esclarecer com base em algumas perguntas.

O que a Floresta Fóssil tem de raro?

Primeiro aspecto importante: fósseis de plantas são mais raros do que de animais. Isso é fácil de compreender. Nós animais já apresentamos várias partes do nosso corpo mineralizadas. Dentes, ossos, carapaças, conchas são partes presentes nos animais que possuem minerais na sua estrutura. Especialmente substâncias a base de Cálcio como o Fosfato de Cálcio e o Carbonato de Cálcio. As plantas, em geral não apresentam partes com tanta concentração de minerais como os animais. Em geral, a maior parte dos constituintes de uma planta são compostos orgânicos. Assim, fósseis de plantas são bem mais difíceis de serem formados, porque as plantas são mais fáceis de passarem por processos de decomposição.

O que faz da floresta fóssil de Teresina uma das mais raras no mundo?

A cena é muito comum. Onde encontramos troncos fossilizados, estes, normalmente, são encontrados rolados. É como se antes do processo de fossilização ter iniciado, um evento cataclísmico derrubou a floresta. Aí um fenômeno natural deu início ao processo de fossilização das plantas. Em todos os lugares onde são encontrados fósseis de plantas na forma de troncos percebe-se que estes estão rolados. Na Floresta de Teresina os troncos tem uma particularidade: foram fossilizados em posição de vida. Até bem pouco tempos atrás apenas aqui e no Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, era possível visualizar fósseis em posição de vida. Recentemente foi encontrada uma floresta petrificada na cidade de Filadélfia, Estado do Tocantins com alguns troncos, aparentemente, em posição de vida.

Como os fósseis foram formados?

Os fósseis se formam quando não há a decomposição do ser vivo que o antecede. A decomposição é a ação de transformação do material vivo que passa por reações executadas pelos microorganismos (fungos e bactérias) na presença de oxigênio. Quando o ser vivo morre e é soterrado bruscamente, sem que se acumule oxigênio no seu entorno, o processo de decomposição fica prejudicado. Com o passar do tempo, compostos minerais vão, gradativamente, substituindo as estruturas antes vivas, que vão funcionando como moldes. A pressão exercida pelo soterramento proporciona, por exemplo, a permineralização, um dos processos de fossilização. O tempo vai passando e o organismo vai, literalmente, se transformando em rocha. Quando o processo é concluído, tem-se a formação do fóssil.

Como é possível calcular a idade de um fóssil?

Os fósseis são calculados através do uso de radioisótopos, cuja a meia-vida é conhecida. Vou explicar. Alguns dos elementos que nos constituem apresentam versões ligeiramente diferenciadas. Por exemplo o carbono. O carbono apresenta número atômico 12 (possui 12 elétrons na sua eletrosfera). Mas existe o Carbono-14 (que tem dois elétrons a mais). Um carbono 14 pode se transformar em um carbono 12, demandando um tempo, chamado de Meia-Vida. A Meia-Vida do Carbono é de 5.730 anos. A grosso modo podemos dizer que se um organismo vivo tiver 10 gramas de Carbono 14 e encontrarmos um fóssil daquela mesma espécie com apenas 5 gramas de Carbono 14, significa que aquele fóssil tem 5.730 anos, aproximadamente, pois a Meia-Vida é o tempo que leva para uma determinada quantidade de um determinado elemento diminuir sua quantidade pela metade. No caso da formação Pedra de Fogo, onde se encontra a Floresta Fóssil, o método utilizado para determinar sua idade não pode ser o Carbono 14, pois sua idade está na escala de milhões de anos. Para medições de rochas na escala de milhões de anos são utilizados métodos como Potássio 40 – Argônio 40 ou Urânio 238 – Chumbo 206, entre outros.

Além do registro de plantas que não existem mais, mas foram imortalizadas na forma de troncos fósseis, a Floresta Fóssil de Teresina registra traços do ambiente antigo no qual estes organismos viviam (o Paleoambiente). Na época em que a floresta estava viva o que existia era uma floresta úmida ambiente rico em lagoas. Os continentes ainda estavam ligados entre si. Ao invés da América, as placas tectônicas ainda estavam fundidas formando o grande continente do passado chamado Pangea.

As coisas mudaram muito de lá pra cá. Isto mais do que justifica que este patrimônio seja preservado.