Cidadeverde.com

Por que a RENCA é tão importante para Amazônia?

  • spp_novas12.jpg Relatório da WWF/2017
  • spp_novas11.jpg Relatório da WWF/2017
  • spp_novas10.jpg Relatório da WWF/2017
  • spp_novas9.jpg Relatório da WWF/2017
  • spp_novas8.jpg Relatório da WWF/2017
  • spp_novas7.jpg Relatório da WWF/2017
  • spp_novas6.jpg Relatório da WWF/2017
  • spp_novas5.jpg Relatório da WWF/2017
  • spp_novas4.jpg Relatório da WWF/2017
  • spp_novas2.jpg Relatório da WWF/2017
  • Spp_novas1.jpg Relatório da WWF/2017

Nestes últimos dias o Governo Federal através de um decreto extinguiu a RENCA – Reserva Nacional de Cobre e Associados abrindo a legalização para sua exploração mineral. Depois, pressionado pela opinião pública voltou atrás e suspendeu as atividades de mineração por 120 dias e reafirmou compromissos de exploração com todos os cuidados necessários aos procedimentos de extração mineral. Mas porque é tão preocupante a medida do Governo em favorecer a exploração mineral?

A RENCA é uma reserva mineral rica em cobre, ouro e manganês. Fica entre os estados do Amazonas e Amapá e tem uma área gigantesca, do tamanho do Estado do Espírito Santo. Próximo a ela existem várias unidades de conservação entre Parques Nacionais e Reservas Biológicas. O Governo alega que apenas regularizou problemas que já existem na região, mas na verdade o dano é muito maior.

Relatório recente do Instituto Mamirauá, instituto tutelado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação apontou de 381 espécies recém descobertas de plantas, mamíferos, aves, peixes, anfíbios e répteis, entre os anos de 2010 e 2015, na região Amazônica. Muitas destas espécies em áreas próximas ou pertencentes ao território abrangido pela Reserva.

A exploração mineral é uma atividade econômica de suma importância para qualquer nação, cujo solo e subsolo são ricos em importantes matérias primas para indústria e para o consumo. Entretanto, trata-se da mais impactante atividade de exploração de recursos naturais, muitas vezes absolutamente irrecuperáveis e com danos irreversíveis ao ambiente. O acidente de Mariana (MG) que vitimou o rio Doce é um exemplo recente do que uma atividade mineral pode afetar o equilíbrio ambiental. E as autoridades brasileiras ainda não responderam à altura da lei sobre os danos e o processo de recuperação do meio ambiente causado pela empresa responsável pelos resíduos de mineração que vitimaram pessoas, animais, plantas, o rio, tendo como percurso terras de Minas Gerais e do Espírito Santo.

A exploração tutelada pelo Governo Federal das terras da RENCA abre uma preocupação sem precedentes sobre o futuro da Amazônia. A Amazônia é o maior de todos os biomas brasileiros e, apesar de avanços do desmatamento e de queimadas detectadas pelos estudos de imagens de satélite, ela ainda é o ecossistema mais preservado do Brasil. A Floresta Atlântica e o Cerrado já atingiram a categoria de Hotspots Mundiais (áreas de grande relevância em termos de biodiversidade e que já perderam mais de 50% da sua composição original).

Neste post escolhi algumas imagens do relatório da WWF com alguns dos mais recentes seres vivos conhecidos pela ciência e que, mal conhecidos, já correm risco iminente de desaparecerem junto com boa parte da Floresta Amazônica.

Roguemos para que os políticos se identifiquem com a máxima de que não comemos dinheiro e o futuro dos nossos filhos depende da preservação do meio ambiente.